Paysandu vence Palmeiras de virada

Será o jogo de Pedrinho, Marcinho e Juninho? ?Espero que a gente repita o que fez contra o Vasco (vitória por 5 a 2)?, respondeu Pedrinho, de volta ao time titular após seqüência de contusões, antes do duelo. ?Mas a equipe não depende só de nós três.? O meia tinha razão. Na partida na qual o Palmeiras buscava embalo no Campeonato Brasileiro, o trio não repetiu a grande atuação, o time pecou na conclusão, recuou muito e, num momento de desatenção, nos acréscimos, permitiu a virada do Paysandu: 2 a 1 no Mangueirão. Descontrolado, o time perdeu a cabeça com o apito final, tentando colocar a culpa na arbitragem. Partiram para cima do auxiliar, para reclamar. ?Só marca para o Paysandu, só para o Paysandu?, bronqueava um Juninho que em campo foi apático. ?Fala de um lance que foi anotado para nós?, indagou Marcinho Guerreiro. ?O pessoal do banco de reservas do Paysandu reclama e o auxiliar fica com medo.? O Palmeiras permanece com 10 pontos, em 15.º lugar, um à frente dos times que estão na zona de rebaixamento. A partida começou em ritmo de Fórmula 1, com times em alta velocidade. E com qualidades de Renault, Ferrari, Williams ou McLaren. Era correria com competência. Um jogo disputado, gostoso de se ver. Os atacantes Eder Ceccon e Robgol mostravam mais potência que os marcadores e sempre saíam na frente do intransponível Sérgio. Mais uma vez o eterno segundo goleiro do Palmeiras teve bela apresentação. Foram pelo menos quatro defesas difíceis. Seu prêmio: volta ao banco de reservas no próximo jogo, domingo, diante do Botafogo, no Palestra Itália. O titular Marcos retorna da Alemanha, onde defende a seleção brasileira na Copa das Confederações. O Palmeiras não se limitou a defender. Atacou também. E bem. As ultrapassagens de Lúcio levavam muito perigo aos paraenses. Mas Washington, aquele que queria aproveitar a chance para se firmar, destoava. Estava em ritmo de Minardi, lento e na pista, ou seja, em campo, só fazendo número. ?Está muito difícil, parelho. Vou continuar batalhando?, disse, no intervalo. Após o pit stop, porém, continuou a 10 por hora. O ?engenheiro? Paulo Bonamigo, vendo o rendimento de sua ?máquina? cair, resolveu trocar peças. Washington deu lugar para Ricardinho e Pedrinho para Reinaldo. Vida nova em campo, erros velhos. Foram três chances para definir a vitória.Paulo Campos, também não gostando do que via em campo, ousou. Colocou o atacante Balão na vaga do lateral-esquerdo Leandro. Com motor novo, o ligeiro Paysandu ? beneficiado com a queda de rendimento do Palmeiras ?, chegou à igualdade, justamente com Balão. Quando o confronto estava em sua reta final, próximo da linha de chegada, Alex Pinho colocou os paraenses à frente: 2 a 1.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.