PC Gusmão vê evolução, mas cobra vitórias no Vasco

Depois de ver o Vasco empatar por 0 a 0 com o Palmeiras, no Pacaembu, e ficar na 11.ª posição do Campeonato Brasileiro, o técnico PC Gusmão evitou lamentar nesta segunda-feira o resultado, já que ele foi obtido fora de casa. O treinador destacou a evolução da sua equipe na competição, mas ao mesmo tempo cobrou a conquista de mais vitórias nas próximas rodadas.

AE, Agência Estado

13 de setembro de 2010 | 16h19

O time vascaíno empatou dez dos 20 confrontos que realizou até aqui nesta edição da competição nacional e só conseguiu vencer seis partidas. "Todo o grupo do Vasco está de parabéns. O campeonato é muito equilibrado, ele é muito difícil, e (são) circunstâncias né. Às vezes você joga bem, cria situações, como foi no jogo de ontem (domingo), e a bola não entra, e consequentemente um empate não deixa de ser um resultado que não seja bom, mas chega de empatar. Está na hora de começarmos a vencer para o nosso objetivo ficar claro na tabela e que ele seja o mais alto possível", ressaltou o treinador, em entrevista ao canal SporTV.

PC Gusmão também lembrou a dificuldade que teve para organizar o Vasco desde a sua chegada ao clube. Ele foi contratado junto ao Ceará e assumiu a equipe após o período de disputa da última Copa do Mundo.

"Dentro do nosso planejamento, dentro daquilo que a gente encontrou dentro do Vasco da Gama, a gente vem numa regularidade que é importante. É importante você fazer uma campanha de recuperação, além de recuperar os pontos que você deixou de ganhar principalmente dentro de casa, e até um saldo negativo que a gente tinha, tendo que equilibrar uma equipe por completo, equilibrar o seu elenco, enfim, tudo aquilo que a gente sabe das dificuldades que a gente vem passando", analisou.

O Vasco tentará encerrar a sua sina de empates na próxima quinta-feira, quando enfrentará o Avaí, em São Januário, pela 22.ª rodada do Brasileirão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.