Pedida prisão de dirigente espanhol

O promotor anticorrupção Carlos Castresana pediu à justiça espanhola 17 anos e meio de prisão para o presidente do Atlético de Madrid, Jesus Gíl, e seu vice-presidente, Enrique Cerezo. Eles são acusados de apropriação indébita, falsificação de contratos e fraude contábil. Castresana também quer que o diretor geral do clube, Miguel Angel Gil Marín, filho de Jesus Gíl, seja condenado a seis anos de prisão pelos mesmos delitos cometidos pelo pai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.