Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Pedrinho faz trabalho para ficar mais forte sem perder a agilidade

Promessa da base do Corinthians, atacante precisa ganhar massa muscular e peso para suportar o tranco nas divididas com rivais

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2017 | 17h01

No início do ano, Pedrinho figurava como grande aposta do Corinthians para a temporada. Ele havia se destacado no título da Copinha e pedia passagem. Mas jogar com os ‘adultos’ não foi tão fácil quanto parecia para o mirrado jogador. A diferença física tirava toda a sua vantagem. E ela gerou a necessidade de um trabalho específico com o menino para ele ganhar massa muscular. Pedrinho está ficando mais forte, e sendo preparado para aguentar as pancadas. O garoto de 19 anos continua com prestígio alto com o técnico Fábio Carille.

Franzino, Pedrinho não aguentou as divididas e o ritmo mais intenso dos jogos entre os profissionais. “Senti a falta de explosão em algumas jogadas e muita dificuldade para me manter em pé”, explicou o jogador.

Por isso, ele passa por um trabalho especial de fortalecimento muscular, que o prepara para suportar os trancos sem tirar suas características principais, que são a velocidade e o drible.

“Criou-se alguns mitos sobre força no futebol. Hoje, se falar para colocar força no atleta, acham que é para deixá-lo grandalhão. Força no futebol serve para o atleta ter mais explosão, velocidade, saltar mais. Tudo isso fará do Pedrinho um jogador melhor”, comentou Walmir Cruz, preparador físico do Corinthians, para o Estado

O atacante tem participado dos treinamentos com os demais companheiros, mas depois das atividades, faz trabalho individualizado, em que o foco é fortalecer a musculatura, de acordo com os exames realizados periodicamente para detectar o quanto ele pode fazer de um exercício específico sem que isso lhe cause lesões.

“Tenho feito um trabalho especial na academia e com suplementos. Quero fazer tudo bem feito e estar preparado para quando o Carille precisar contar comigo”, disse o atacante.

O clube não projeta um peso ideal de massa muscular para Pedrinho. Dependerá de como ele vai se comportar diante dos adversários. Por isso, o garoto tem sido pouco utilizado por Carille e, quando entra, não joga mais do que 10 minutos.

“O Pedrinho é bem tranquilo. Ele sentiu na pele o que é jogar contra outros profissionais, com atletas formados, algo que é mais complicado. Isso não significa que ele está abaixo tecnicamente dos outros, mas fisicamente ele ainda precisa melhorar bastante”, explicou Walmir.

Além dos exercícios, a joia da base alvinegra também tem um acompanhamento diferenciado com a nutricionista do Corinthians – indica os melhores alimentos para seu crescimento. 

A referência no Corinthians, sem querer comparar qualidade técnica, é Neymar. “Em 2009, ele nos enfrentou, em início de carreira, e tinha um corpo completamente diferente do atual. Ele está mais forte e não está um brutamonte como acham que o Pedrinho ficará”, comparou o preparador físico.

Embora não tenha um peso definido para encerrar o fortalecimento, há etapas a serem cumpridas. “A primeira delas, que é a fase de adaptação, está acontecendo e deve continuar até quase o fim do ano. Aí faremos uma análise para ver como ele está”, diz Walmir, que assim como os jogadores, tem um carinho especial pelo jovem corintiano.

Desde que foi promovido, Pedrinho tem recebido elogios de jogadores e da comissão técnica pela sua personalidade. Até por isso, entende o trabalho que está sendo feito com ele e não se mostra afoito em queimar etapas. “Sei que a oportunidade vai chegar na hora certa. O time está bem encaixado e temos boas opções. Vou continuar trabalhando, que minha hora vai chegar”, diz Pedrinho. 

Outros jovens talentos também passaram por um trabalho especial antes de brilharem em times profissionais. Gabriel Jesus surgiu com grandes dificuldades físicas no Palmeiras. Um dos pontos que mais atrapalhavam o palmeirense, que hoje brilha na seleção e no Manchester City, era a dor da cãibra. Com o tempo, e muito trabalho, Jesus foi se livrando do problema. 

Tratado como craque. Neymar também precisou crescer para encarar os maiores do mundo pelo Barcelona e seleção. O mesmo aconteceu com Lucas Moura e Casemiro, que começaram tratamentos no São Paulo, mas ganharam mais massa muscular quando foram para o futebol europeu. 

Pedrinho renovou seu contrato com o Corinthians em abril até dezembro de 2020. Assim, a tendência é que ele ainda possa render bons frutos dentro de campo para a equipe alvinegra.

Três perguntas para Walmir Cruz, preparador físico do clube

1. O que está sendo feito para o Pedrinho ficar mais forte e aguentar o jogo?

Ele é um garoto especial, por isso, não podemos queimar etapas em seu processo de crescimento e desenvolvimento. No início do ano, nós projetamos um trabalho a médio prazo e ele tem melhorado muito em relação ao peso corporal, no ganho de massa muscular e força física. Não podemos falar em números ainda, porque o trabalho é recente, mas em breve teremos dados importantes para divulgar. Acredito que, até o fim do ano, teremos este trabalho especial mais adiantado.

2. Como deixar o Pedrinho mais forte sem tirar sua habilidade e velocidade?

Criou-se o mito de que falar em fortalecer um jogador significa que vamos transformá-lo em um brutamonte. Força no futebol serve para o atleta ter mais explosão, velocidade, saltar mais, essas coisas. Ele é um jogador rápido e não vai perder essa característica. Pelo contrário. Vai intensificar essa qualidade com o tempo.

3. Como controlar a ansiedade do Pedrinho, que está querendo ter mais oportunidades no time?

Ele é um menino bem tranquilo nesse sentido. Sentiu na pele o que é jogar contra times profissionais, com atletas formados e mais fortes. Isso não significa que ele esteja abaixo tecnicamente dos outros, mas sim fisicamente. Ele vai se desenvolvendo aos poucos e agora é esperar o momento certo para ir entrando e ganhando espaço na equipe. O Pedrinho é diferenciado e vai dar muitas alegrias para a torcida do Corinthians.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolPedrinhoCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.