JF Diorio/Estadao
JF Diorio/Estadao

Pedrinho revela frio na barriga e Carille cogita meia como titular no clássico

'É um moleque de personalidade', afirma o treinador

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2017 | 07h00

O empate do Corinthians por 1 a 1 com o Red Bull foi a estreia do meia Pedrinho como titular da equipe alvinegra. O jogador teve uma atuação discreta, mas mostrou muita vontade e chegou a fazer pelo menos duas boas jogadas que agradaram ao técnico Fábio Carille.

“Ele é um moleque de personalidade. Ganhamos mais uma opção para a sequência da temporada. Acompanho o Pedrinho desde 2015. Ele tem muita qualidade e um pé esquerdo forte”, analisou o treinador.

A personalidade que mostra nos gramados Pedrinho também tem nas entrevistas. O garoto admitiu ansiedade por fazer o segundo jogo pela equipe, sendo o primeiro como titular, mas diz que o passar do tempo foi lhe dando confiança.

“Estava meio ansioso antes de entrar em campo, com aquele frio na barriga. Mas depois do primeiro toque na bola fiquei tranquilo e pude responder à altura", disse o garoto, que tem recebido diversos conselhos dos companheiros. “Recebi bastante conselhos do Rodriguinho, Cássio e Jô. Eles deram dicas de como fazer e, por serem mais experientes, sabem como me ajudar”, comentou.

Sem poder contar com Romero, que está com a seleção paraguaia, existe até a possibilidade do garoto ser mantido como titular para o clássico com o São Paulo, domingo, no Morumbi. “Tem o Jadson para voltar. Vamos ver. Existe a chance, mas vamos esboçar uma formação no treino”, minimizou o treinador.

Pedrinho foi o jogador com o nome mais ovacionado durante a divulgação das escalações pelo sistema de som da arena. O fato se repetiu quando ele foi substituído por Guilherme. O menino, de 19 anos, diz saber da sua responsabilidade e da expectativa dos torcedores em seu futebol, entretanto, mostra tranquilidade.

“Estou tranquilo sobre isso. A torcida me passa força e tenho responsabilidade, só que levo isso com alegria e tranquilidade. A torcida sempre me dá apoio e força. É algo a mais para mim, que eu levo para o campo e me dá mais força”, finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.