Antonio Calanni/AP
Antonio Calanni/AP

Pékerman critica simulações de jogadores ingleses: 'Tem muita confusão'

Colombianos ficaram na bronca com a arbitragem em eliminação para a Inglaterra

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 20h30

O técnico Jose Pékerman reclamou do que classificou como simulações dos jogadores ingleses na partida que eliminou a Colômbia da Copa do Mundo nos pênaltis (4 a 3) após empate no tempo normal e na prorrogação (1 a 1). Ele se queixou principalmente do gol da Inglaterra, resultado de pênalti de Sanchez em Harry Kane.

+ Saiba quais são os jogos e horários das quartas de final

+ Kane pode atingir marca que só Ronaldo obteve nas últimas 10 Copas

"Foi incômodo jogar uma partida em que se tinha no ar a sensação de que o árbitro ia apitar alguma coisa. Alguma coisa está acontecendo no futebol. Tem muita confusão. Se cai por cair. Se empurram, é porque buscam o toque. Me parece que hoje estamos todos confundindo esse tipo de jogada. Vimos muito isso no Mundial. São determinantes. É uma situação difícil. A Inglaterra tem uma equipe boa. A Colômbia também demonstrou que foi uma equipe com virtudes dentro do campeonato", afirmou o treinador em entrevista coletiva no estádio do Spartak, em Moscou.

O treinador afirmou que a ausência de James Rodríguez, fora do jogo por uma lesão muscular, foi determinante para a eliminação. "Nos faltou um jogador chave na seleção. O jogador que é responsável pela nossa criação, definição. Foi determinante. Lamentavelmente não o tínhamos em condição", disse Pékerman.

 

Pékerman também comentou a capa do jornal inglês The Sun que associou a Colômbia à cocaína na edição desta terça-feira. O treinador confirmou que a publicação influenciou os jogadores.

"Eles (os jogadores) já não estavam contentes antes do jogo porque houve comentários graves e sem fundamentos. Não é justo que pensem isso dos jogadores. Teve pênalti contra o Panamá. Os jogadores caem na área, se chocam e caem. Isso dói, temos que nos colocar na pele dos jogadores", afirmou o treinador, que preferiu não comentar sobre sua permanência no cargo. "Não vou falar do futuro agora. Não é o momento. Vou falar sobre o jogo."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.