Esteban Biba/EFE
Esteban Biba/EFE

Pékerman faz mistério e não confirma James Rodríguez para a estreia da Colômbia

Técnico esconde escalação do meia na partida contra o Japão, nesta terça-feira pelo Grupo H

Estadão Conteúdo

18 Junho 2018 | 14h26

Principal jogador da seleção da Colômbia, o meia James Rodríguez não tem presença garantida na estreia na Copa do Mundo da Rússia diante do Japão, nesta terça-feira, às 9 horas (de Brasília), em Saransk. O técnico José Pékerman evitou confirmar o craque colombiano entre os titulares.

+ Cortado em 2014, Muriel vê Colômbia mais forte: 'Vamos além das quartas'

+ James Rodríguez volta a treinar e deve reforçar a Colômbia na estreia

+ Ospina rechaça favoritismo da Colômbia na estreia contra o Japão

"Estamos esperando para ver o que os médicos dirão. Vamos esperar até o último minuto para tomar a decisão", afirmou Pékerman em entrevista coletiva nesta segunda-feira. "A Copa é sempre depois de uma temporada pesada. Alguns jogadores chegaram com lesões. Eles melhoraram, mas ainda estão um pouco desgastados fisicamente", explicou o técnico, que comanda uma seleção em Copa pela terceira vez.

James Rodríguez não participou do treino da seleção colombiana na última quinta-feira, o primeiro aberto em solo russo. O meia do Bayern de Munique voltou a treinar nos dias seguintes, mas ainda é dúvida por conta do desgaste físico.

"Essa era a ideia da concentração, de observarmos a evolução de todos, e todos melhoraram. Alguns chegam com incômodos normais, mas chegamos com possibilidade de estar 100%. Mas ainda não descarto que nas últimas horas tenhamos alguma mudança para estarmos seguros", afirmou Pékerman.

 

James Rodríguez foi o artilheiro do último Mundial no Brasil, em 2014, com seis gols, e comandou os colombianos na melhor campanha da história ao chegar às quartas de finais, fase em que a seleção sul-americana foi eliminada pelo Brasil. Segundo Pékerman, se o meia não jogar, há jogadores que podem substituí-lo à altura.

"Temos bons jogadores como alternativas. Nosso time é muito rico tecnicamente, mais forte que o de 2014. Somos mais flexíveis", disse o treinador, que citou Izquierdo, Quintero e Uribe como possíveis substitutos de James.

Sobre os rivais japoneses, goleados pela Colômbia na Copa do Brasil, em 2014, o comandante argentino disse que a seleção melhorou significativamente em relação à disputa do último Mundial e que o meia Honda não é o único jogador com o qual a Colômbia precisa estar atenta.

"É um caso muito parecido com o nosso. Temos que tomar cuidado com Kagawa, Honda, Kawashima, Endo, Hasebe. Inui é um jogador impressionante, com a temporada que fez no Eibar, da Espanha. Será um jogo muito duro. Esquecemos totalmente o que aconteceu no Brasil", finalizou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.