Filippo Monteforte/AFP
Filippo Monteforte/AFP

Pékerman reconhece que Colômbia só teve fôlego para segurar o Japão no 1º tempo

Técnico colombiano admite que jogar com um a menos desde os primeiros minutos afetou planejamento da equipe

Estadão Conteúdo

19 Junho 2018 | 12h06

A expulsão do volante Carlos Sánchez logo no início da derrota da Colômbia para o Japão por 2 a 1 nesta sexta-feira foi o assunto principal na coletiva do técnico Jose Pékerman. De acordo com o treinador do time colombiano, sua equipe só teve fôlego para resistir ao Japão na etapa inicial.

+ TEMPO REAL: Colômbia 1 x 2 Japão

"É complicado perder um jogador tão cedo, especialmente alguém tão importante. No primeiro tempo, conseguimos sobreviver, marcar um gol e chegar ao empate. Mas na segunda, o Japão conseguiu controlar a partida e aproveitou da vantagem numérica. Eles criaram oportunidades e chegaram à vitória", disse.

O Japão venceu por 2 a 1 com um gol de cabeça de Osako, aos 27 minutos do segundo tempo. A seleção oriental teve total controle da partida no segundo tempo e poderia até ter ampliado a vantagem não fosse a boa atuação do goleiro Ospina.

Pékerman, no entanto, tentou olhar pelo lado positivo na derrota e destacou a força de sua equipe em manter a calma mesmo com um jogador a menos. "A gente reagiu quando tinha um a menos. Se tivermos esse comportamento nas duas próximas partidas, podemos ganhar. Vamos recuperar essa derrota", prosseguiu.

O treinador também explicou a mudança feita ainda na etapa inicial, quando tirou o meia Cuadrado, um dos principais nomes da seleção colombiana, para a entrada do volante Barrios. "Nesse momento o Japão vencia por 1 a 0 e tinha mais posse de bola. Tentei subir a marcação para o campo deles e não ficar só na nossa defesa. A Colômbia tinha poder de ataque, mas estávamos sofrendo no setor de marcação", disse.

 

A seleção colombiana agora volta a campo no próximo domingo, às 15h (de Brasília) quando enfrentará a Polônia, em Kazan. O Japão, no mesmo dia, às 12h, jogará contra Senegal em Ecaterimburgo.

"Deve ser doloroso para os torcedores colombianos comparecer ao estádio com a ilusão de ver o time vencer e voltar para casa com a derrota, da maneira como foi a partida. Vamos agora nos concentrar para fazer um bom jogo contra a Polônia e voltar a dar alegria a nossos torcedores", finalizou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.