Epitácio Pessoa/AE - 3/6/2011
Epitácio Pessoa/AE - 3/6/2011

'Pela 1.ª vez não consigo corrigir um time', diz técnico Felipão

Palmeiras voltou a tomar gol de bola aérea e apenas empatou por 2 a 2 com o Atlético-PR

AE, Agência Estado

08 de setembro de 2011 | 10h21

CURITIBA - A paciência do técnico Luiz Felipe Scolari com a equipe do Palmeiras parece ter chegado ao fim, após o empate por 2 a 2 diante do Atlético-PR, na última quarta-feira à noite, na Arena da Baixada, em Curitiba. Mesmo jogando com um atleta a mais em mais da metade da partida e estando à frente no placar por duas vezes, o time paulista não conseguiu a vitória. Para piorar, voltou a tomar gol em bola aérea, o que irritou muito o treinador.

"Minha função é trabalhar. Em relação à atenção, não posso entrar em campo e puxar o calção de cada um. Tem que ter liderança, comando e posicionamento para não ter esse tipo de gol. Estou perdendo a paciência porque estou trabalhando exaustivamente há um ano. É a primeira vez em meus 20 anos de carreira que não consigo corrigir uma equipe", afirmou.

Desde o ano passado, Felipão tem tentado corrigir o problema de bolas aéreas na defesa. Já tentou colocar jogadores mais altos, aumentar o número de zagueiros, mas nada surtiu efeito. No primeiro gol do Atlético-PR na última quarta, marcado por Guerrón, o Palmeiras voltou a errar na marcação neste tipo de lance e a desatenção desagradou ao técnico.

"Tenho que continuar trabalhando e eles (jogadores) também, com um pouco de atenção. Aliás, um pouco não, muita atenção. Depois do jogo está sempre tendo uma situação de ''ah, eu errei'', ''ah, eu errei''. Não, não tem que errar no jogo. Pode errar antes ou depois, mas no jogo não", disse o exaltado treinador.

Mesmo tendo atuado fora de casa, Felipão avaliou o empate como um péssimo resultado por conta das circunstâncias da partida. "O time perdeu dois pontos. Esteve duas vezes na frente, tomou dois gols absurdos, então claro que perdeu. Jogamos com 11 contra 10 quase todo o tempo. Pelo amor de Deus", esbravejou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.