Sergio Perez/Reuters
Sergio Perez/Reuters

Pela Argentina, Higuaín recusou atuar na seleção francesa

Ex-técnico da França, Raymond Domenech chegou a ter planos de convocar o atacante

Ciro Campos, enviado especial / Kazan, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2018 | 00h00

Jogar contra a França numa partida de Copa do Mundo pode ter um sabor diferente para o argentino Gonzalo Higuaín. O atacante nasceu no país europeu e, em 2006, recusou uma convocação para compor os Les Bleus em nome do sonho de defender as cores alvicelestes. Portanto, na Copa da Rússia o jogador da Juventus pode conseguir um resultado que vai provar o acerto – ou erro – da sua escolha.

+ Sem encantar, França e Argentina duelam pela 1ª vaga nas quartas

+ Dois favoritos e seus craques vão se despedir no 1º dia das oitavas

Higuaín nasceu em Brest, no oeste da França. Era ali que seu pai, Jorge, jogava em 1987. Ainda bebê, o atacante se mudou para a Argentina, onde cresceu e começou a jogar futebol no River Plate. A altura, velocidade e poder de finalização logo despertaram o interesse dos europeus em duas frentes: clubes e seleção. No fim de 2006, a França vivia uma reestruturação da seleção após a Copa daquele ano. O técnico Raymond Domenech havia perdido o meia Zidane, aposentado, e corria atrás de rejuvenescer o grupo. O plano era convocar Higuaín, então com 19 anos, para amistosos, com a intenção de observá-lo e garantir que a revelação jogaria pela seleção francesa, e não argentina.

A surpresa foi a recusa do atacante. Higuaín preferiu defender a Argentina, país onde cresceu e começou a jogar futebol. Logo depois, ele começou a ganhar chances na seleção onde sempre quis atuar – na Rússia disputa sua terceira Copa. Mas esta será a primeira vez que ele tem a chance de enfrentar a renegada França em uma partida oficial do torneio. A presença de Higuaín em campo, contudo, não é confirmada. O técnico Jorge Sampaoli indicou a possibilidade de apostar em Pavón em sua vaga, para dar mais velocidade ao time.

 

“Temos variações e opções capazes de absorver esse momento importante. Pavón é uma delas. Ele soube se incorporar rapidamente ao elenco.”

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.