Alex Silva|Estadão
Alex Silva|Estadão

Favorito, Corinthians quer evitar ‘efeito Guaraní’

Em 2015, time perdeu primeiro jogo nas oitavas e acabou eliminado

VÍTOR MARQUES, O ESTADO DE S.PAULO

27 de abril de 2016 | 07h00

O Corinthians pode ser considerado favorito no primeiro mata-mata da Copa Libertadores contra o Nacional, em Montevidéu. Mas a queda em 2015 diante do Guaraní do Paraguai, também nas oitavas de final, serve como exemplo de como a competição sul-americana é traiçoeira. 

Ano passado, abrindo as oitavas fora de casa, o Corinthians perdeu por 2 a 0 em Assunção, resultado que complicou a partida da volta em Itaquera, com nova derrota (1 a 0). Não perder hoje (e se possível não sofrer gols) é o principal objetivo do time alvinegro, que vem de uma eliminação na semifinal do Campeonato Paulista e agora tem a Libertadores como principal foco, pelo menos até o início do Campeonato Brasileiro, dia 15 de maio.

O Corinthians chega para as oitavas não sob pressão, mas com um certo incômodo por vacilos nos últimos mata-matas. Em 2015, caiu para o Guaraní e também diante do Palmeiras, na semifinal do Estadual. E agora contra o Audax Osasco. O técnico Tite, no entanto, afirmou que é preciso entender o contexto dessas eliminações e não rotular a equipe, como “time de mata-mata” ou “time de pontos corridos” – sob seu comando, o Corinthians já ganhou todos os tipos de torneio, como Libertadores e Mundial e dois Brasileiros.

Nesta quarta-feira, em Montevidéu, o técnico voltou a lamentar a eliminação no Paulista, mas ressaltou que ficou orgulhoso com o desempenho do time, afinal o time deu adeus ao Estadual nas disputas de pênaltis após empate por 2 a 2 no tempo normal. Apesar de elogiar o time e ressaltar o excelente desempenho no torneio – fez a melhor campanha –, Tite promoveu uma mudança contra o Nacional. Numa tentativa de que a equipe toque mais a bola no meio, dando mais liberdade a Elias, o técnico sacou Guilherme e confirmou Rodriguinho como titular.

É uma alteração importante porque Rodriguinho se firmou como titular apenas quando Elias estava machucado. Agora os dois vão jogar juntos. Do ponto de vista tático, no entanto, a equipe mantém o sistema 4-1-4-1. “Às vezes, você não tira alguém do time porque está mal, mas porque outros jogadores estão melhores”, disse Tite. Alan Mineiro, que aproveitou a contusão de Giovanni Augusto, continua como titular, e Marlone e Romero são opções no banco de reservas.

FICHA TÉCNICA:

Nacional (URU): Conde; Fucile, Victorino, Polenta e Espino; Porras, Romero e Barcia; Ramírez, Fernández e López. Técnico: Gustavo Munúa.

Corinthians: Cássio; Fagner, Felipe, Yago e Undel; Bruno Henrique, Elias e Rodriguinho; Alan Mineiro, André e Lucca. Técnico: Tite.

Juiz: Patricio Lostau (Argentina).

Local: Parque Nacional, em Montevidéu.

Horário: 21h45.

TV: Globo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.