Stringer|Reuters
Stringer|Reuters

Pela primeira vez, Fifa admite que votos de Copa foram comprados

Entidade tenta se mostrar como 'vítima' da corrupção dos cartolas

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S. Paulo

16 de março de 2016 | 11h41

Quase um ano depois da eclosão de sua pior crise e a prisão de diversos cartolas pelo mundo, a Fifa admite pela primeira vez em um documento à Justiça que os votos para a escolha de sedes das Copas do Mundo foram comprados. Ao tentar sobreviver e se mostrar aos tribunais americanos como "vítima" da corrupção, a Fifa também reconheceu que eleições de presidentes foram fraudadas e que propinas foram cobradas em jogos das Eliminatórias. 

"Agora fica claro que múltiplos membros abusaram de seu poder e venderam seus votos em múltiplas ocasiões", indicou o documento da Fifa à Justiça dos EUA. 

O caso mais grave se refere às acusações de que os dirigentes Chuck Blazer e Jack Warner haviam recebido US$ 10 milhões para votar pela África do Sul para sediar o Mundial de 2010. O FBI, em maio, havia feito a denúncia. Mas a Fifa sob a gestão de Joseph Blatter e Jérôme Valcke, insistia que o pagamento era um programa social. Documentos foram encontrados mostrando a assinatura de Valcke nas transferências. 

Agora, a Fifa muda sua versão e diz que, de fato, os US$ 10 milhões foram propinas e que o filho de Warner chegou a ser o "homem da mala", buscando dinheiro em hotéis em Paris. "Eles desviaram o dinheiro para uso privado", disse a Fifa.

Mas, na versão dos advogados, a entidade garante que não sabia de nada. Segundo o documento Warner "mentiu" para a Fifa ao dizer que o dinheiro era para um programa social, "quando na realidade era uma propina". 

No documento, os advogados apontam que Warner também aceitou vender seu voto para Mohamed Bin Hammam, nas eleições para a presidência da Fifa em 2011, além de distribuir envelopes com US$ 40 mil para dirigentes da América Central. 

Warner ainda "desviou" milhões em acordos com José Hawilla, dono da Traffic, em jogos válidos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Segundo os advogados, porém, eles mantiveram esses acordos em "sigilo" e "esconderam" os fatos da Fifa. 

O esquema continuou a partir de 2011, quando Jeff Webb foi eleito para dirigir a Concacaf. Segundo a Fifa, a Traffic pagou propinas e permitiu que Webb comprasse "uma pequena mansão e instalasse uma piscina". 

Ao tentar convencer os juízes americanos, a Fifa insiste que os dirigentes buscaram "formas de encher seus bolsos" e que "violentaram a Fifa". Para os advogados, eles se "enriqueceram às custas do futebol". "Eles venderam o poder de suas posições", completou.

Ao se apresentar como vítima, a Fifa ainda diz que ela existe para "unir torcedores e jogadores" e tudo que faz é "pelo futebol". Ao ver suas contas se expandir, ela ainda "fortaleceu seus sistemas de controle". Mas lava as mãos sobre o comportamento dos cartolas. "Membros são membros, não afiliados", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.