Pelé apóia Copa sem dinheiro público

A possibilidade de o Brasil organizar o Mundial de 2014 anima Pelé. Mas com restrições. O Rei do Futebol disse hoje, na Alemanha, que só apoiaria qualquer aventura nesse sentido, se não houver dinheiro público envolvido na organização. "O Brasil hoje é o único país sul-americano em condições de hospedar a Copa", reforçou o astro. "Mas, como a fase prévia demanda muito dinheiro, é preciso que seja bancado pela iniciativa privada", insistiu. "Não é justo, em um país pobre, querer que o dinheiro do povo seja desviado para um torneio de futebol", disse. Se for preciso colocar recursos públicos, então seria melhor que o Brasil abrisse mão da Copa." Pelé foi o centro das atenções em cerimônia de renovação de acordo da Fifa com a Mastercard. A empresa de cartões de crédito é parceira antiga da entidade que controla o futebol e estendeu acordo para ser um dos patrocinadores do Mundial de 2006, além da Copa dos Campeões da Europa, Copa América de 2004, Taça Libertadores e Euro-2004. Um dos momentos mais descontraídos foi o encontro de Pelé com Franz Beckenbauer. Ambos jogaram juntos no Cosmos, nos anos 70, e são amigos desde aquela época. O alemão não perdeu oportunidade de elogiar o velho companheiro, de 62 anos. "Faz 26 anos que atuamos juntos e estou com os cabelos brancos", disse o campeão do mundo em 74 e 90. "Sempre quis perguntar ao Pelé qual é o segredo para ele ter cabelo normal", comentou, com bom humor. "Além disso, me surpreende ver como o Pelé está em forma, porque a maioria dos brasileiros que conheço se acabam por conta do carnaval." O brasileiro apenas sorriu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.