Pelé aprova obras do Memorial do Santos

Uma obra está mudando a Vila Belmiro e atraindo a curiosidade dos torcedores: o Memorial das Vitórias, um museu moderno que vai contar a história do clube santista que conquistou o mundo nos anos 50 e 60, jogando contra times de 70 países e 42 seleções estrangeiras. E um desses curiosos esteve no local esta semana, verificando de perto o espaço que será destinado ao personagem mais famoso do futebol mundial: o próprio Pelé deu uma passadinha pela Vila, viu como será o museu e saiu satisfeito. As obras estão adiantadas e deverão ser concluídas até o final do mês que vem, para que tudo esteja no lugar para a inauguração, programada para o dia 17 de novembro, quando o clube irá comemorar os 40 anos da conquista do título de bicampeão mundial de futebol. ?O interesse que a história do clube desperta no torcedor é muito grande, assim como a atração que existe pela Vila Belmiro", comentou a coordenadora do Memorial, Denise Covas. Ela informou que pelo menos 40 mil pessoas visitaram a sala de troféus em janeiro. ?Mas foi bem mais, pois muita gente não assinou o livro de visitas." Projetado pelo arquiteto Francisco Carol, o Memorial das Vitórias terá sua composição interna idealizada pelo arquiteto Gino Caldarti. Ele está sendo construído no salão de festas, na entrada do estádio, ocupando área de 500 metros quadrados. O custo foi estimado em R$ 600 mil, que serão cobertos pela Umbro, fornecedora de material esportivo para o Santos e que irá explorar a loja de produtos licenciados pelo clube por um período de dois anos. Ao entrar, o visitante verá um grande painel com uma foto da Vila Belmiro em 1935, ano da fundação do Santos, com os documentos da época. Logo depois, um telão exibirá os gols e lances mais famosos do time. A partir daí, começa a viagem pelo futebol que maravilhou o mundo. ?O Memorial será divido por temas, mostrando sua relação com a cidade, com o mundo, seus principais ídolos e conquistas para atrair mais a atenção dos visitantes", disse Denise Covas. O Rei Pelé terá um espaço especialmente dedicado a ele e ali serão exibidos objetos pessoais do ex-jogador. Também a placa de cimento em que ele deixou anos atrás gravado o seu pé estará exposta no local. A idéia é fazer com que outros jogadores famosos deixem seus pés e mãos (no caso dos goleiros) gravados para formar o painel da fama, versão santista da Calçada da Fama de Hollywood. Além da exposição do material histórico do clube, como os 150 principais troféus, o Memorial contará com exposições temporárias para comemorar determinados feitos. Nessas ocasiões, os ex-jogadores serão convidados a conversar com os torcedores, para que eles mesmos relatem como era o Santos de seu tempo. ?A idéia é fazer o Memorial bem dinâmico e deverá haver troca periódica de material, assim como exposições comemorativas para que as pessoas possam freqüentá-lo e sempre ver uma novidade a cada visita", disse Denise Covas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.