Money Sharma/ AFP
Nesta sexta-feira, Pelé compareceu à final do torneio sub-17 Copa Subroto no Ambedkar Stadium, em Nova Déli, capital da Índia Money Sharma/ AFP

PELÉ COMPLETA 75 ANOS NESTA SEXTA SEM PERDER O FÔLEGO

Maior jogador da história continua na ativa, mas quer viajar menos pelo mundo

Robson Morelli, O Estado de S. Paulo

23 de outubro de 2015 | 07h00

Pelé completa 75 anos nesta sexta-feira. Contrariando muita gente, ele não é um senhor de cabelos brancos, bigode grosso e que passa os dias sentado em uma cadeira de balanço contando sua história. O Rei do Futebol, reverenciado no mundo muito antes de sair de campo e se tornar lenda, ainda está na ativa. Nesta semana, desembarcou na Índia para fazer a alegria de milhares de pessoas, homens, mulheres e crianças, todos apaixonados por ele e pelo futebol. A única coisa que queriam era tocá-lo, como se o brasileiro não fosse de carne e osso.

Pelé não chuta uma bola em um jogo oficial desde 1977, quando se despediu pela última vez na partida do Cosmos com o Santos, dia 1º de outubro, no Giants Stadium, Estados Unidos, atuando um tempo para cada lado. Tinha 36 anos. Nunca foi esquecido. Continua apertando a mão de gente famosa, de presidentes a papas, mas sempre que pode se refugia onde mais gosta de estar, em sua casa com a mulher, filhos e a criançada. Pelé é um senhor humilde, emotivo e feliz.

Enfraquecido pela idade, cirurgias e internações nos últimos anos, como uma troca do fêmur por desgaste e que o impedia de andar (as dores eram fortes), Pelé ainda não completou sua missão. Ao Estadão, revelou três desejos aos 75, que espera festejar com a família, como nos almoços de domingo. Aliás, seu maior desejo é que os familiares continuem unidos e com saúde. Pelé tem três filhos do primeiro casamento e mais dois do segundo, além da Flávia, fisioterapeuta que o tem acompanhado desde a primeira internação dos últimos tempos.

Aos 75 anos, não é mais aquele homem vigoroso e forte como nas imagens imortalizadas que o mundo se acostumou a ver. Está mais encurvado. Precisa, por vezes, se apoiar em algo ou alguém para se manter ereto. Perdeu peso. Sua saúde é monitorada mais de perto. Nas ocasiões em que esteve internado recentemente, mudou a rotina do hospital num grande teste de popularidade. Funcionários choravam só de vê-lo passar no corredor. Seu carisma continua em alta em todas as camadas da sociedade. "A Flávia só me puxa a orelha quando não cuido da saúde, mas graças a Deus, estou recuperado."

As viagens pelo mundo, representando marcas com as quais tem contrato, também tendem a diminuir. É uma promessa, diz. O desgaste é cada vez maior, embora consiga descansar nos voos. Pelé tem um ritual nos aviões, do qual não abre mão: pede para a aeromoça o acordar somente na aterrissagem. Não come nem bebe. Também não se livra dos sapatos nem se desarruma na poltrona. Dorme do começo ao fim da viagem. 

Nesses anos todos em que sustenta seu reinado sem coroas, conquistado com dribles, gols e títulos, e sem pedir para ser coroado, viu uma série de postulantes ao trono ficar pelo caminho. Ninguém nunca chegou nem perto dele. Maradona foi quem mais se aproximou. Ronaldinho e Messi não são metade do que foi. Ninguém ousa compará-los, embora sempre que um jogador se destaca no futebol surge a notícia de que um 'novo Pelé' está sendo forjado. O Rei nunca acreditou em substituto. Seu reinado morrerá como ele.

Suas opiniões sempre foram contestadas. Ganhou fama de pé frio pelos palpites furados no futebol. Disse que o Brasil ganharia a Copa do Mundo de 2014. Deu no que deu. Agora aposta tudo no time de Dunga. 'Não ficaremos fora da Copa da Rússia." Esteve recentemente do lado de Blatter para mais quatro anos de mandato antes de a corrupção ser estourada na Fifa. Agora vê amigos do passados, como Beckenbauer, arrolados em esquemas de propinas e benefícios próprios.

Nesta semana, revelou ao Estadão também outros dois 'pedidos' se pudesse fazer nesse aniversário de 75: 'que o planeta tenha mais igualdade' e 'que o mundo possa viver em paz', como cantou John Lennon, com quem se encontrou nos Estados Unidos no fim da década de 70. Daí a dúvida de apostar que um dia ele vai mesmo parar e tomar seu lugar na história, de camarote, vendo a vida passar. Poucos acreditam nisso.  

Tudo o que sabemos sobre:
Pelé, Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Pelé pede paz ao mundo e acredita na seleção de Dunga

'Não ficaremos fora da Copa do Mundo da Rússia', garante

O Estado de S. Paulo

23 de outubro de 2015 | 07h00

Estadão - Aos 75 anos, quais seriam seus três desejos hoje? Aqui vale tudo: três desejos do Rei, da vida pessoal ou de algo maior.

Pelé - Nessa ordem: 1 - Que a minha família continue unida e com saúde; 2 - Que o mundo tenha mais igualdade; 3 -  Que o mundo possa viver em paz.

Como você pensa sua vida daqui para frente? Você tinha a ideia de dar expediente no Museu do Pelé, em Santos, numa sala de frente para a baía. Há muitas viagens ainda para fazer ou a rotina tende a diminuir e você permanecer mais em casa?

Sem dúvida nenhuma, pretendo reduzir o número de viagens a trabalho, ficar mais junto da minha família e poder continuar a ajudar a proteger as pessoas, especialmente as crianças (quando fez o milésimo gol, em 1969, contra o Vasco, no Maracanã, Pelé ofereceu o feito para as crianças).

O que Pelé gosta de fazer quando não está trabalhando? De ficar em casa, de ver jogos de futebol, de compor música, de ficar com a família? Como são os domingos de Pelé em sua casa?

Gosto de um pouco de cada coisa e quase tudo que você citou. Escrever músicas e tocar violão, sem dúvida. Pescar no meu sítio em Juquiá também e ainda jogar uma pelada com os amigos (em sua casa no Guarujá, há um campinho gramado com duas traves pequenas).

Como está a saúde, depois do susto e das internações. A recuperação está sendo feita de acordo. E os puxões de orelha da filha Flávia, sua fisioterapeuta, que já me disse que você 'fura' algumas sessões?

A minha filha Flávia me puxa a orelha só quando eu não cuido da minha saúde. Mas graças a Deus, estou recuperado.

O Brasil corre risco de ficar fora da Copa do Mundo da Rússia? Dunga é o treinador certo? Como está vendo todo essa confusão da venda de Neymar do Santos para o Barcelona?

Dificilmente a seleção brasileira ficará fora da Copa do Mundo de 2018. O Dunga pegou a equipe recentemente (depois da saída de Felipão, após o Mundial de 2014) e com a maioria dos jogadores jovens. Mas eu confio muito no Brasil. Sobre o Neymar e a negociação, infelizmente só o Santos vai sair perdendo nessa história (o clube da Vila recebeu 17 milhões de euros (o equivalente hoje a R$ 74,5 milhões). O Barcelona disse inicialmente que pagou 57 milhões de euros (R$ 249,8 milhões) e depois admitiu ter desembolsado 86 milhões de euros (R$ 376,9 milhões). Só o pai de Neymar ficou com 40 milhões de euros (R$ 175,3 milhões).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.