Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Pelé critica leilão e diz que Ronaldinho Gaúcho deveria jogar de graça no Grêmio

Rei do futebol não gosta da atitude do jogador e dos clubes envolvidos na negociação

estadão.com.br,

07 de janeiro de 2011 | 19h16

O rei Pelé também resolveu dar o seu pitaco na novela sobre o futuro de Ronaldinho Gaúcho. Nesta sexta-feira, após inaugurar o espaço do octacampeonato no Memorial de Conquistas do Santos, na Vila Belmiro, ele criticou o leilão que envolve o jogador. "Se ele realmente ama o Grêmio, deveria jogar de graça lá. Afinal, está com a vida feita."

Veja também:

linkGrêmio segue otimista e confiante

linkGrêmio desmonta suposta festa para apresentar Ronaldinho

linkSeleção, a motvação de Ronaldinho

linkTime inglês mantém esperança

linkRonaldinho diz que não há nada definido sobre futuro

forum ENQUETE - Ronaldinho deve acertar com qual clube?

blog TRÁGICO E CÔMICO - Ronaldinho leiloado no Mercado Livre

blog DIRETO DA FONTE - Ronaldinho quer morar no Rio

O ex-atleta até utilizou ele mesmo como exemplo. "Em 1974, quando o Santos vivia um momento de dificuldades financeiras, eu joguei um ano inteiro de graça. Abri mão do meu salário", declarou.

Para Pelé, é inadmissível que os clubes brasileiros aceitem entrar em um leilão dessa maneira. "É uma maneira de fazer um futebol muito baixo. Ronaldinho não vai jogar porque gosta do time e quer mostrar para todo o Brasil que está bem, e sim para quem dá mais", assinalou.

Os atores principais da batalha para contar com Ronaldinho Gaúcho na temporada 2011 são Grêmio, Flamengo e Palmeiras, com o Corinthians correndo por fora. Por isso, Pelé elogiou as posturas de Santos e São Paulo, que não entraram na disputa. "Sabiamente, Santos e São Paulo não estão envolvidos."

De acordo com o rei do futebol, Ronaldinho perdeu o foco após a queda da seleção brasileira na Copa do Mundo de 2006, na Alemanha. No entanto, ele acredita que, em boas condições, o meia pode ser muito útil para qualquer time do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.