Ian Langsdon/EFE
Ian Langsdon/EFE

Pelé deverá ficar internado em Paris mais um ou dois dias, informa sua assessoria

Rei do Futebol teve infecção urinária e precisou ser levado para um hospital na capital francesa. Ele passa bem e está à base de antibióticos

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2019 | 18h51

Pelé deverá ficar mais um ou dois dias internado em um hospital de Paris, na França, onde passou o dia hoje após se sentir mal durante a madrugada. Ele estava no hotel e foi socorrido às pressas. Havia preocupação com estado de saúde do Rei do Futebol. Pelé foi diagnosticado com infecção urinária, que já teve outras vezes. Está sendo tratado à base de antibióticos e, de acordo com informações de sua assessoria pessoal, em contado com o Estado de Paris, no começo da noite de ontem, ele passava bem. Mas a alta médica estava descartada. Pelé dormiria no hospital e ficaria mais 24 horas em observação, "até que os antibióticos pudessem fazer efeito e ele se recuperasse". "Deve ter alta amanhã (hoje) ou depois", disse o assessor que estava no hospital.

Da França, Pelé viajaria direto para os Estados Unidos. Ele não voltaria para o Brasil. Em sua agenda, ele e Tite, técnico da seleção brasileira, fariam uma palestra em evento na cidade de Boston. Após os problemas clínicos em Paris, a viagem para os EUA pode não acontecer mais. Sua assessoria não soube precisar se ele cumpriria a agenda e emendaria uma segunda viagem de negócios. "Saberemos isso amanhã (hoje)."

Não está descartado seu retorno imediato ao Brasil para um período maior de descanso e acompanhamento médico.

Em Paris, Pelé se encontrou na terça-feira com Kylian Mbappé, jogador do PSG e da seleção francesa campeã do mundo na Rússia. Ele é um dos jogadores mais novos a ganhar a competição da Fifa e também a fazer gol em final. Pelé conheceu o garoto e seus pais e disse a ele que não precisava sair de Paris para ser eleito o melhor do mundo. "Eu fui sem deixar de jogar no Santos", disse Pelé antes da sessão de fotos ao lado do garoto. 

Esse encontro era para ter ocorrido no ano passado, mas foi desmarcado por Pelé na ocasião por ele não se sentir bem. 

Durante a manhã, a imprensa francesa divulgou que Pelé havia sido diagnosticado com uma crise de tetania, que se caracterizada por formigamento e adormecimento das extremidades do corpo, além de contrações musculares intermitentes, acompanhadas de tremores, paralisias e fortes dores musculares. Ela poderia ter sido causada por problemas gastrointestinais ou pela pouca presença de sais de cálcio no seu organismo. A assessoria de Pelé não confirmou a informação. Nem sabia explicar o que era tetania. 

A internação de Pelé foi divulgada pela rádio francesa RMC Sport, que afirmou ter confirmado as informações com o staff do brasileiro na França.

O evento entre Pelé e Mbappé, um dia antes, foi produzido por um patrocinador em comum. Pelé tem dificuldades para se locomover. Há alguns anos, ele caminha com o auxílio de um andador, após usar uma bengala por algum tempo. Também se vale de cadeira de rodas. Há dois anos, o Rei tenta diminuir o ritmo de seus compromissos com os patrocinadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.