Maxim Shemetov / Reuters
Maxim Shemetov / Reuters

Pelé diz que Neymar é o melhor do mundo e está pronto para ser o líder da seleção

Ex-jogador elege adversários mais difíceis para o Brasil na Copa: Alemanha, Argentina e Rússia

Estadão Conteúdo

23 de fevereiro de 2018 | 09h57

Pelé confia em Neymar e no Brasil para a Copa do Mundo de 2018. Em entrevista ao site da Fifa, o único jogador a vencer três Mundiais comentou sobre o papel do atleta do PSG no time, quem são os principais adversários do Brasil, as possíveis dificuldades e relembrou alguns dos principais momentos na seleção.

+ Tite mantém grupo aberto para a Copa do Mundo: 'Preciso de um ritmista'

+ ‘Não vou a Brasília nem na ida nem na volta, nem ganhando nem perdendo’ , diz Tite

"O Neymar muda a maneira como ele joga com a seleção. No clube, ele estava jogando pelo lado esquerdo do ataque, mas no Brasil atua mais centralizado, como um camisa 10. Isso é difícil, mas ele conseguiu adaptar o jogo", afirmou Pelé, ressaltando que hoje o futebol privilegia o coletivo. "Ele está pronto para ser o líder. A mudança tática pode não ser direta, mas ele é fundamental para o Brasil. Tem que se preparar para isso. E iria mais longe: para mim, tecnicamente, ele já é o melhor jogador do mundo. Eu estou absolutamente certo disso", continuou.

Pelé também afirmou que a seleção brasileira tem o que é necessário para conquistar o hexa. "O Brasil sempre tem um time capaz de vencer a Copa do Mundo. Individualmente, não tenho dúvidas de que os melhores jogadores do mundo são brasileiros". Entretanto, o ídolo do Santos fez a ressalva de que o tempo de preparação pode dificultar a formação do time, o que será um desafio para a comissão técnica.

Perguntado sobre quem seriam os principais adversários, Pelé mencionou a Alemanha como um exemplo de jogo coletivo, a Rússia, que jogará em casa, e a Argentina, que, segundo ele, tem o necessário para passar por todo o caminho.

Durante a entrevista, Pelé também relembrou grandes momentos que viveu na Copa do Mundo, como o gol na final contra a Suécia em 1958, que afirmou ter sido puro improviso, e a cabeçada na final de 1970 contra a Itália, onde falou ter sido um conselho de seu pai cabecear com os olhos abertos. Também falou do papel de Feola, técnico do Brasil no Mundial de 1958. Segundo Pelé, o treinador lhe disse que era o melhor jogador do mundo e, mesmo assim, sempre precisaria respeitar os adversários e nunca poderia entrar em campo achando que venceria somente por estar lá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.