Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Pelé e Academia marcaram rivalidade

As décadas de 50 e 60 intensificaram a rivalidade entre o Santos e o Palmeiras, clássico que garantiu alguns dos melhores jogos da história do futebol paulista. Os dois clubes surgiram na mesma época - o Santos em 1912 e o Palestra Itália, atual Palmeiras, em 1914 -, mas esse confronto ganhou nova expressão a partir dos gloriosos anos de Pelé e da Academia Alviverde.Em 1951, o Palmeiras tornou-se o clube das Cinco Coroas, por ter conquistado seguidamente cinco títulos importantes, entre os quais a Copa Rio, verdadeiro Mundial de Clubes, e já tinha grande torcida. O Santos, embora dois anos mais velho que seu rival, não passava de clube médio, vivendo da saudade do isolado título paulista de 1935.A transformação começou em 1955 ano em que o Santos afinal saiu da fila: foi campeão estadual e repetiu a conquista em 1956. Já em 1957, o Corinthians ganhou a Taça dos Invictos, mas perdeu o último jogo (3 a 1) e o título paulista para o São Paulo, e acabou em terceiro lugar, atrás do time santista. Era o primeiro campeonato disputado por Pelé, garoto lançado num amistoso de 1956 em Santo André.O Santos voltou a ser campeão em 1958, quando o Palmeiras vivia uma péssima fase. Depois do Mundial da Suécia, dois jovens integrantes da delegação campeã seguiram caminhos diferentes: Mazzola foi do Palmeiras para o Milan e Pelé, para sorte do Santos, ficou na Vila Belmiro por mais 16 anos.Numa noite chuvosa de 1958, época infelizmente sem vídeo-teipe, houve um dos mais emocionantes jogos do futebol brasileiro: Santos 7 x Palmeiras 6, no Rio-São Paulo. Inspirado por Mazzola, o Palmeiras cresceu em campo e vendeu caro a derrota. Pelé esteve incrível, mas o artilheiro foi o ponta-esquerda Pepe, com três gols. O dinheiro da venda do passe de Mazzola assegurou ao Palmeiras reforços fundamentais, entre os quais o lateral-direito Djalma Santos.Com isso, o Paulista de 1959 teve grandes emoções e acabou terminando num Supercampeonato: três clássicos decisivos entre o Palmeiras e o Santos, no Pacaembu. A surpresa havia sido um valente time do Interior, a Ferroviária, de Araraquara, do craque Bazzani, que ameaçou os clubes grandes e acabou em terceiro lugar.Romeiro, dos chutes perfeitos na cobrança de falta, fez o gol da vitória e do título. Festa palmeirense no Pacaembu: 2 a 1. José Romeiro Cardoso, que havia sido trazido do América do Rio, cobrou a falta e consegui encobrir a barreira. A bola entrou no canto, o goleiro Laércio nem se mexeu.Dudu e Ademir - Nos anos 60, só o Palmeiras furou o predomínio do Santos no Campeonato Paulista. Os títulos de 1963 e 1966 ficaram com o Palmeiras, a Academia de Dudu e Ademir da Guia. Os outros foram para a Vila - 1960, 61, 62, 64, 65, 67, 68 e 69. O São Paulo ressurgiu em 1970; o Corinthians, só em 1977. Agora, quem está na fila do estadual é o Santos, campeão paulista pela última vez em 1984, porém animado com o título brasileiro de 2002. Os dirigentes enfraqueceram e encurtaram o Paulista, mas não a ponto de acabar com a tradição do clássico deste domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.