Pelé joga rápido e acusa Viana no Rio

O ex-jogador Pelé antecipou-se ao juiz da 18ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho, da 1ª Região, no Rio de Janeiro, Derli Mauro Cavalcanti da Silva, e deu entrada no Ministério Público Estadual com uma notícia-crime contra o seu ex-sócio Hélio Viana, acusando-o de estelionato, apropriação indébita e crimes contra a Fé Pública. O perito Paulo Roberto Lobo Guimarães, em seu laudo processual na vara trabalhista, movido por Roberto Seabra contra Pelé e Viana, constatou todas essas irregularidades. A atitude de Pelé foi motivada pela tendência de que fosse denunciado com Viana no Ministério Público Federal pelo juiz da 18ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho. Em sua defesa, o ex-jogador alegou ter sido iludido pelo ex-sócio e, por isso, não tinha o conhecimento do que se passava em sua empresa. Em um trecho das alegações de Pelé, na notícia-crime, está a comparação entre Viana e seu antigo sócio, Pepe Gordo, também acusado de tê-lo ludibriado no passado. No documento, Viana é apontado como uma pessoa dotada de "uma sofisticação e malícia imcomparáveis." Emissão de notas fiscais frias, manipulação dos números contábeis da Pelé Sports e Marketing e empréstimos bancários obtidos ilicitamente são algumas das acusações do ex-jogador. No laudo pericial do processo trabalhista, Guimarães observou que vários cheques recebidos e emitidos pela empresa não foram contabilizados. Ressaltou que recebeu comunicado da empresa atestando que notas fiscais, duplicatas e recibos não foram apresentados, porque foram "subtraídos" dos arquivos, conforme registro de ocorrência n.º 071188. A "real posição financeira" da Pelé Sports, também foi investigada por Guimarães: "O perito entende que os saldos contábeis existentes nos livros que lhe foram exibidos não refletem a posição financeira da Reclamada (empresa do ex-jogador)." A outra irregularidade encontrada foi a utilização de dois talões de notas fiscais, com a mesma numeração (de 001 a 050), confeccionados em diferentes gráficas (Velo Gráfica Ltda. e G. Valmar Ltda.).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.