Arquivo/AE
Arquivo/AE

Pelé nega afirmação de que Robinho consumiu drogas

Rei do futebol diz que tudo não passou de um mal entendido de suas declarações numa palestra

EFE,

25 de março de 2009 | 16h20

Pelé negou nesta quarta-feira que tenha acusado o atacante Robinho de consumir drogas e atribuiu a um mal-entendido a confusão gerada pelas supostas declarações. O ex-jogador chamou Robinho de filho e disse que ele deixou o Santos com sua supervisão, na época em que comandava um projeto nas categorias de base.

Veja também:

linkPelé elogia Neymar e Mancini em visita ao Santos

linkMá interpretação gerou revolta de Robinho contra Pelé

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Pelé, que também foi revelado e se tornou um dos maiores jogadores do mundo com a camisa do clube, acusou a imprensa de ter causado o problema, afirmando que os jornais precisam vender. Ele comentou ainda que, em casos como este, é preciso ouvir a gravação para ouvir o que foi realmente dito.

Robinho, que defende o Manchester City e atualmente treina com a seleção brasileira para os próximos jogos das Eliminatórias à Copa, chegou a exigir uma desculpa formal por parte de Pelé e ameaçou processá-lo.

"Será exigida uma retratação formal de Pelé, caso o que tenha dito não seja uma má interpretação por parte dos meios de comunicação que publicaram" as declarações, afirmou em nota divulgada na terça, no site do jogador.

O documento também afirmava que, caso Pelé não se pronunciasse, Robinho teria que resolver o assunto nos tribunais. "Robinho está triste e decepcionado com Pelé, que parece ter se esquecido do grande ídolo que foi, e parece que Pelé deve estar lendo a imprensa sensacionalista" para fazer um comentário como esse, acrescenta a nota. Pelé teria dado as polêmicas declarações em um evento privado semana passada em São Paulo.

CONTRADIÇÃO

O trecho em Rei do Futebol fala do caso foi gravado pela rádio Jovem Pan. Eis o discurso na íntegra de Pelé no evento turistico:

"(...) o Maradona. Se meteu em drogas [risos ao fundo], não, é uma coisa séria, porque é um exemplo negativo. Ele é um grande, um excelente jogador de futebol, jogava muito bem, não fazia gol de cabeça, mas tudo bem [risos ao fundo]. Era um bom jogador e infelizmente aconteceu o que aconteceu com ele".

"Aí a maioria dos jornalistas, em toda a parte do mundo, fala 'olha droga no futebol'. Mas como droga no futebol? Tem milhões de jogadores em todo o mundo. Se você ver o número de jogadores que temos em todo o mundo, poxa, é um caso, é injusto falar droga no futebol. É um ou dois casos que tem. Então, o que aconteceu infelizmente, né, com o Ronaldo, com Robinho, que teve esses problemas... Pô, isso são um ou dois casos".

"E os outros jogadores todos que dão exemplo? Eu citei o Kaká, um dos últimos ídolos nossos como exemplo, porque, poxa, como o Kaká tem outros jogadores, na Europa tem o Beckenbauer, o Platini, que é presidente. Pô, são jogadores que estiveram lá e deram o exemplo."

Atualizado às 18h33 para acréscimo de informações

Mais conteúdo sobre:
PeléRobinhodrogasfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.