Pelé: Real não se compara ao Santos de 60

Quando o Real Madrid começou a montar sua equipe de super-estrelas, com Zidane, Ronaldo e Beckham, muitos diziam que o time poderia se transformar na versão moderna do Santos da década de 60. Hoje, as deficiências do time espanhol e a falta de resultados mostram os limites de qualquer comparação. Pelé é um dos que concordam que a comparação não é correta, pelo menos não por enquanto. Para ele, a diferença entre o seu Santos e o Real de Madrid e Ronaldo é clara: o time espanhol não tem "gente para carregar o piano". "O Santos era uma equipe completa. O Real Madrid, que estava sendo cogitado como o máximo do futebol, precisa ver que só de craques não se monta um time", afirmou o tricampeão em entrevista à Agência Estado.Pelé, que neste sábado participou em Genebra de uma cerimônia para apoiar o time local do Servette, ainda ressaltou que a contusão de Ronaldo ainda não lhe permite render 100% nos gramados. Para Pelé, os problemas enfrentados nos últimos tempos pelo Real Madrid são reflexos de "erros de estratégia" dos dirigentes da equipe. "O grande erro do time de Madrid foi que esqueceram de montar uma equipe completa. Não se pode ter apenas jogadores que tocam piano, precisa ter aqueles que o carregam. Como no começo da temporada os jogos não eram significativos, o time foi ganhando e acabaram achando que estavam no caminho certo. No final, enfrentando equipes bem armadas, ficou difícil a situação para o Real, o que prova que só com craque não ganha nada", afirmou Pelé.Para o ex-camisa 10 da seleção, o Santos, ao contrário do Real, tinha as duas coisas: carregadores e tocadores de piano. "Era um time novo, com Lima, Coutinho e eu. Mas também tinha o pessoal de marcação", lembra o ex-jogador. Para ele, outro exemplo de sucesso foi o Cosmos, equipe pela qual terminou sua carreira nos Estados Unidos. "O time acabou campeão não apenas porque tinha Carlos Alberto, Beckenbauer e Pelé, mas porque tinha os garotos para dar combate", explica.Separação - Sobre a polêmica sobre condição física de Ronaldo, Pelé afirma não saber se o atacante saiu ou não de seu peso. "Mas todos dizem que está um pouco gordo. Acho que o que deve ter abatido ele (Ronaldo) foi a separação (de Milene Rodrigues). Além disso, por causa de sua contusão, não pode render 100%", afirmou.Pelé ainda comentou uma possível transferência de Diego para a Europa. Para ele, porém, a adaptação do jogador do Santos corre o risco de ser difícil. "Tem gente que quer levá-lo já. Mas precisam dar um tempo maior para o garoto". O Rei do Futebol, porém, não esconde sua simpatia por Robinho. "Eu treinei os dois (Robinho e Diego) no juvenil do Santos. O Robinho é mais rápido e mais difícil de marcar. Se ambos fossem para a Europa, Robinho certamente renderia mais", completou Pelé.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.