Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Pelé revela preocupação com futuro de Neymar no Santos

Rei do Futebol afirma que está apreensivo com o andamento da carreira do garoto de apenas 17 anos

Wilson Baldini Jr., Agencia Estado

18 de março de 2009 | 20h06

O futuro do atacante Neymar, revelação de apenas 17 anos que já virou titular do time do Santos, é uma das maiores preocupações de Pelé no momento. Torcedor santista, o Rei do Futebol revelou nesta quarta-feira, durante sua participação num evento em São Paulo, que está apreensivo com o andamento da carreira do garoto.

Veja também:

linkClássico paulista tem mais de 30 mil ingressos vendidos

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Trata-se de um jogador diferenciado, mas já está sendo muito assediado pelo empresários", disse Pelé, que também não aprova o salário de R$ 80 mil pago atualmente pelo Santos para Neymar - houve uma renovação de contrato recentemente. "Ele ainda é muito novo. É um dinheiro muito maior do que ganhávamos na minha época."

Dentro de campo, Pelé considera o início de carreira de Neymar muito parecido com o de Robinho, que surgiu também no Santos, em 2002, e seguiu para o futebol europeu três anos depois, já com dois títulos brasileiros no currículo (2002 e 2004). "Tecnicamente lembra muito o Robinho quando começou, mas não gosto de fazer comparações, pois acabam exagerando demais", explicou.

A inteligência quando está com a bola nos pés é apontada por Pelé como uma das maiores virtudes do jovem atacante santista. "Ele só precisa encorpar um pouco mais para aguentar a marcação. Mas isso virá com o tempo, naturalmente", contou o ex-jogador.

Pelé aproveitou para agradecer a homenagem de Neymar no jogo do último domingo, quando ele festejou seu primeiro gol como profissional, diante do Mogi Mirim, no Pacaembu, com um soco no ar, marca registrada do próprio Pelé. "Fiquei muito feliz e espero que ele repita esse gesto muitas vezes com a camisa do Santos e da seleção brasileira", revelou.

Pelé não confirmou se vai estar no Pacaembu, no próximo domingo, para assistir ao clássico entre Corinthians e Santos, mas fez questão de lembrar que é um torcedor pé-quente, pois não vê o time santista perder na Vila Belmiro há três anos.

Famoso por ser um carrasco corintiano, ele brincou quando se referiu ao rival. " Como poderia odiar um time que só me tratou bem e de quem fiquei ganhando por 18 anos", divertiu-se Pelé, lembrando do tabu sem vitórias do Corinthians no clássico contra o Santos entre 1957 a 1968.

Sobre a realização da Copa de 2014 no Brasil, Pelé, que é garoto-propaganda da competição, voltou a defender a realização do evento no País. "Hoje o Mundial é um grande negócio, que garante a todos os países organizadores melhorias na saúde, transporte e na economia", justificou.

Mais conteúdo sobre:
futebolPeléNeymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.