Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Pênalti inexistente em jogo de 2018 decreta prisão de juiz sérvio

Árbitro acabou preso sob a acusação de favorecer o time da casa. Jogo valia vaga para a Liga Europa

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2021 | 05h00

Um pênalti inexistente assinalado a favor do Spartak Subotika em duelo com o Radnicki Nis em 2018, levou o árbitro Srdjan Obradovic a 15 meses de prisão sob a acusação de abuso de poder. No jogo, válido pelo Campeonato Sérvio, o Spartak venceu a partida por 2 a 0, com dois gols de pênalti.

A partida valia também uma vaga na Liga Europa. Mas a marcação da penalidade não acarretou somente na reclusão. O juiz também está proibido de exercer qualquer cargo na Federação Nacional por dez anos. Segundo a polícia sérvia, o árbitro foi detido por cometer ato criminoso usando de sua posição oficial.

No lance que originou a marcação de falta dentro da área, o jogador do Spartak entrou pela direita e fez um cruzamento rasteiro, que resvalou na perna do atleta adversário. Na sequência, o corte foi feito e quando o Radnicki Nis se preparava para sair jogando, Obradovic paralisou o jogo apontando para a marca do pênalti.

Na jogada, não houve nenhum choque entre os atletas e nenhum lance que justificasse a marcação da infração. No entanto, o juiz marcou toque de mão dentro da área. A imprensa local classificou o lance como escandaloso. Para dificultar um pouco mais qualquer tipo de reação o Radnicki ainda estava com um homem a menos em campo.  

O pênalti acabou virando caso de polícia. De acordo com a agência sérvia Tanjug, a sentença ainda foi proferida pela Câmara Anticorrupção do Tribunal Superior de Novi Sad e é passível de recurso.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérvia [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.