Andre Penner/AP
Andre Penner/AP

Pênalti no fim salva o Brasil contra o Egito: 4 a 3

Seleção abre três de vantagem, sofre empate mas consegue vencer graças a gol de Kaká aos 45' do 2.ºT

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

15 de junho de 2009 | 12h52

SÃO PAULO - A seleção brasileira não fez uma grande exibição na estreia da Copa das Confederações na África do Sul, mas conseguiu uma importante vitória por 4 a 3 sobre o Egito no Estádio Free State, em Bloemfontein. A equipe, que terminou o primeiro tempo com uma vitória por dois gols de diferença, chegou a permitir o empate do adversário no início da etapa final, mas um pênalti cobrado por Kaká aos 45 minutos garantiu o triunfo.

Veja também:

linkEgito reclama de suposto uso de vídeo em jogo contra o Brasil

linkDunga culpa cansaço e admite mudar seleção brasileira

linkKaká reconhece necessidade do Brasil melhorar

linkAliviada, seleção culpa cansaço por atuação ruim

linkAndré Santos comemora estreia e espera nova chance

linkRobinho admite atuação ruim; confira mais declarações dos brasileiros

mais imagens GALERIA - Imagens da vitória do Brasil

Copa das Confederações 2009 - tabela Classificação

Copa das Confederações 2009 - lista Calendário

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O resultado positivo deixa o time brasileiro perto da semifinal no Grupo B do torneio. Se bater os Estados Unidos na próxima quinta-feira, às 11 horas (de Brasília - com acompanhamento online do estadao.com.br), estará praticamente classificado, independentemente do resultado do clássico de domingo contra a Itália. Já os egípcios, que encaram os italianos na quinta, veem mais distante o sonho de surpreender os favoritos da chave para obter a vaga.

  LANCES DA PARTIDA
 5’/1.ºT - GOL (1x0) - Daniel Alves lança para a grande área e Kaká dribla dois dentro da área - com chapéu - antes de tocar de leve na bola na saída do goleiro El Hadary, para  fazer o primeiro do Brasil
 8’/1.ºT - GOL (1x1) - Zidan, do Egito - Após cruzamento de Abo Terika, ele sobe mais do que Daniel Alves e antes de Júlio César, e empata com cabeçada
 11’/1.ºT - GOL (2x1) - Elano cruza com perfeição para a grande área em cobrança de falta e o Luís Fabiano sobe mais do que todo mundo para cabecear e desempatar
 36’/1.ºT - GOL (3x1) - Cruzamento perfeito de Elano em cobrança de escanteio e o zagueiro Juan sobe mais do que todo mundo para cabecear para o fundo do gol
 9’/2.ºT - GOL (3x2) - M.Shawky chuta de fora da área para vencer Júlio César e diminuir a vantagem brasileira
 10’/2.ºT - GOL (3x3) - Bola lançada nas costas de Daniel Alves e Zidan, do Egito, bate forte na saída de Júlio César, para igualar o placar da partida
 45.’/2.ºT - GOL (4x3) - Daniel Alves cruza para a área, Lúcio desvia para o gol e A.Elmohamadi tira a bola com o braço em cima da linha; egípcio é expulso e juiz marca penalidade máxima. Kaká cobra, marca e garante a vitória
Em busca do terceiro título na história da Copa das Confederações (conquistou o torneio em 1997 e 2005), o Brasil tenta nesta edição se tornar o maior vencedor da história do campeonato. Por enquanto, está empatado com a França, que levantou a taça em 2001 e 2003.

Já o técnico Dunga pôde comemorar nesta segunda o 12.º jogo seguido sem derrota da seleção brasileira. O time não perde desde 15 de junho do ano passado, quando foi superado fora de casa pelo Paraguai por 2 a 0 pelas Eliminatórias sul-americanas à Copa do Mundo. Neste período, foram oito vitórias e quatro empates.

No entanto, esta foi a primeira vez na 'era Dunga' que a equipe brasileira levou três gols em uma única partida. A última vez que as redes da seleção haviam balançado tantas vezes foi em 8 de junho de 2005, quando o técnico ainda era Carlos Alberto Parreira. Na ocasião, o Brasil foi superado por 3 a 1 pela Argentina em Buenos Aires.

POLÊMICA

A partida foi marcada por muitos gols e erros do sistema defensivo do Brasil, mas o lance mais marcante aconteceu aos 44 minutos do segundo tempo. Em cobrança de falta, Daniel Alves jogou a bola para a grande área e Lúcio desviou para o gol. Com o braço direito, A.Elmohamadi tirou a bola em cima da linha: pênalti e expulsão do jogador egípcio.

No entanto, o árbitro inglês Howard Webb não havia visto a penalidade máxima em um primeiro momento. Por isso, chegou a marcar apenas escanteio para a equipe sul-americana, o que gerou muitos protestos. No entanto, após conversar com o quarto árbitro, ele voltou atrás e resolveu marcar a infração dentro da área.

Após a reclamação do Egito, Kaká assumiu a responsabilidade e garantiu o triunfo brasileiro na África do Sul, em boa cobrança de pênalti. Em chute no canto, ele não deu chances de defesa para o goleiro El Hadary.

 Brasil 4
 Júlio César; Daniel Alves, Juan, Lúcio e Kléber (André Santos); Felipe Melo, Gilberto Silva, Elano (Ramires) e Kaká; Robinho (Alexandre Pato) e Luís Fabiano
Técnico: Dunga
 Egito 3
El Hadary; A.Said, Hani, A.Fathi e Hosni (A.Elmohamadi     ); Zidan, M.Shawky, S.Moawad     e A.Hassan; (A.Eid); W.Gomaa e Abo Terika
Técnico: Hassan Shehata
Gols: Kaká, aos 5, Zidan, aos 8, Luís Fabiano, aos 11, e Juan, aos 36 minutos do primeiro tempo; Zidan, aos 9, M.Shawky, aos 10, e Kaká (pênalti), aos 45 minutos do segundo tempo

Árbitro: Howard Webb (ING)

Estádio: Free State, em Bloemfontein (África do Sul)

SHOW DE GOLS

No entanto, antes do lance decisivo, a partida já vinha sendo marcada por momentos emocionantes. Antes dos 15 minutos, as redes já haviam balançado três vezes em Bloemfontein.

Logo aos cinco minutos, Kaká inaugurou o marcador com um belo gol, ao dar um chapéu um egípcio e driblar outro dentro da grande área. No entanto, em falha da zaga da seleção, o Egito empatou três minutos depois com Zidan, de cabeça.

Mas, aos 11, Luís Fabiano mostrou oportunismo e subiu de cabeça na grande área após cruzamento de Elano para colocar o time de Dunga novamente na frente. Já aos 36, foi a vez de Juan aproveitar escanteio do Elano para aumentar a vantagem brasileira. A partida parecia decidida, mas o segundo tempo ainda reservava muitas surpresas.

VACILO

Surpreendentemente, antes dos 15 minutos da etapa final o confronto já estava novamente empatado. Em dois erros seguidos, o Brasil deixou o time adversário igualar o marcador.

Aos 9, M.Shawky chutou de fora da área e venceu o goleiro Júlio César. Em uma pane geral, os brasileiros levaram outro gol aos 10, quando Zidan recebeu nas costas de Daniel Alves e venceu o goleiro da seleção.

A vitória nos momentos finais apagou um pouco a má atuação do time de Dunga. No segundo tempo, o treinador, em busca da vitória, chegou a fazer as três alterações a que tinha direito - colocou Ramires, Alexandre Pato e André Santos nos lugares de Elano, Robinho e Kléber. A equipe não cresceu de produção e foi salva pelo pênalti no fim.

NOTAS DA PARTIDA

*O lateral-esquerdo André Santos, do Corinthians, fez nesta segunda-feira sua estreia pela seleção brasileira. Entrou aos 38 minutos do segundo tempo no lugar de Kléber, mas tocou poucas vezes na bola *A partida entre Brasil e Egito fez aumentar a média de gols da Copa das Confederações. Agora, são quatro por partida *O Estádio Free State, em Bloemfontein, não estava lotado para o jogo da seleção brasileira. A Fifa exige que a África do Sul tome medidas para levar mais público para os estádios*

Andre Penner/AP

Kaká corre para comemorar o gol de pênalti que marcou e garantiu a vitória do Brasil sobre o Egito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.