Pênalti nos acréscimos salva Brasil contra Argentina: 2x1

Um gol de pênalti nos acréscimos do segundo tempo, marcado por Neymar, garantiu ao Brasil uma vitória apertada por 2 x 1 sobre a Argentina, nesta quarta-feira, num amistoso em que a seleção sofreu para furar a defesa argentina e em que a torcida que lotou o estádio Serra Dourada, em Goiânia, pediu a volta de Luiz Felipe Scolari para substituir o técnico Mano Menezes.

Reuters

20 de setembro de 2012 | 00h33

O pênalti cometido por Leandro Desabato em Leandro Damião, aos 47 minutos da etapa final, transformou os protestos da torcida contra Mano em euforia no final da partida, mas quando o jogo se encaminhava para o empate, a torcida vaiou o técnico e repetiu pedidos por Felipão, mostrando insatisfação com Mano pela fraca atuação da equipe.

A Argentina, que passou a maior parte do jogo fechada no campo de defesa, abriu o marcador aos 20 minutos em sua primeira finalização ao gol brasileiro. Juan Manuel Martínez iniciou a jogada, fez uma tabela com o lateral Clemente Rodríguez, e chutou forte no alto do gol, sem chances de defesa para o goleiro Jefferson.

O Brasil respondeu seis minutos depois, com Paulinho completando para as redes após cobrança de falta de Neymar para a área. Imagens de televisão mostraram que o brasileiro estava impedido quando marcou o gol.

Essa foi a quinta partida do Brasil contra a Argentina sob comando de Mano Menezes, com duas vitórias, e, apesar do gol marcado no fim, o jogo serviu para aumentar a pressão sobre o treinador.

Quando tirou o meia do São Paulo Lucas, que estava jogando bem, para a entrada de Wellington Nem, Mano ouviu da arquibancada vaias, gritos de "burro" e de "adeus", além dos pedidos dos torcedores de "volta Felipão", em referência ao técnico que levou o Brasil ao pentacampeonato mundial em 2002.

Felipão deixou o Palmeiras este mês, em consequência de uma péssima campanha no Campeonato Brasileiro, em que o time corre sério risco de rebaixamento, apenas dois meses após conquistar o título da Copa do Brasil.

Mano, que tem sofrido uma pressão crescente após a derrota na final dos Jogos Olímpicos para o México, já disse que não se sentia mais ameaçado pelo fato de Scolari estar atualmente sem emprego.

O atacante Luis Fabiano, de volta à seleção pela primeira vez desde a fracassada campanha na Copa do Mundo de 2010 e que tem a expectativa de retornar ao time para o Mundial de 2014, teve atuação apagada e foi substituído aos 23 minutos do segundo tempo por Leandro Damião.

Enquanto a Argentina praticamente não contou com jogadores de seu time principal que disputa as eliminatórias para a Copa de 2014, já que a maioria deles atua na Europa, o Brasil teve em campo nomes como a dupla de frente Neymar e Lucas, que são titulares da seleção brasileira principal, assim como Damião.

O Brasil, que com o time principal venceu a África do Sul (1x0) e a China (8x0) em amistosos disputados em casa este mês, encontrou estádio lotado e teve o apoio do público durante quase todo o jogo em Goiânia, onde fará a sua preparação para a Copa das Confederações que será disputada em 2013 no Brasil.

Quando enfrentou os sul-africanos em São Paulo, o time e o técnico Mano Menezes foram bastante vaiados. Já na goleada contra a fraca equipe da China, no Recife, o time teve o incentivo das arquibancadas, que no entanto tinham diversos espaços desocupados.

Brasil e Argentina, que voltam a se enfrentar em 3 de outubro na Argentina, também disputaram os dois amistosos do duelo chamado Superclássico das Américas em 2011, com vitória brasileira por 2 x0, conquistada no jogo realizado em Belém, após empate sem gols em Córdoba (Argentina).

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro; Edição de Tatiana Ramil)

Tudo o que sabemos sobre:
FUTBRASILARGENTINASUPERCLASSICO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.