Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Paixão à distância faz 'pequenos' ingleses conquistarem o Brasil

Tecnologia faz clubes como Swansea, Southampton e Sunderland ganhar a simpatia de jovens brasileiros

Luis Filipe Santos, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2017 | 07h00

Os times ingleses se popularizam cada vez mais entre os jovens brasileiros – e a tecnologia é a maior aliada neste processo. Equipes como Manchester United, Liverpool, Arsenal e Tottenham têm seus torcedores há mais de uma década. O fenômeno, porém, não atinge somente os clubes mais tradicionais. Agremiações com menos história, como Swansea, Southampton e Sunderland, também alcançaram novos adeptos em terras tupiniquins.

+ Confira a tabela do Campeonato Inglês

+ Mais notícias de futebol internacional

Entre os torcedores, a presença da tecnologia é marcante – foi por meio dela que começaram a acompanhar os times. Enquanto uns assistem aos jogos na TV fechada (ou por streaming) e gostam do estilo de jogo e das torcidas da Inglaterra, outros admitem ter começado a gostar dos clubes por utilizarem essas equipes em jogos virtuais.

“Comecei a acompanhar o Sunderland porque sempre pegava o time em Master Liga, Modo Carreira no FIFA ou no PES. A partir disso, comecei a me interessar pela história do clube, pelas participações nas competições, pelos jogadores que faziam parte do time. E assim fui me identificando cada vez mais, acordando cedo todo sábado para acompanhar por ‘streaming’ os jogos da equipe. São muitas coisas que me fizeram com que me identificasse. É um sentimento real, afinal, sofrer toda temporada é complicado”, garante Roberto Guizoni, 21 anos, estudante de jornalismo.

Se a tecnologia fez surgir o afeto pelos clubes, também aproxima os fãs das últimas notícias das equipes. Com páginas no Facebook e no Twitter e grupos no WhatsApp, torcedores conversam, se mantêm atualizados sobre as novidades do time e comentam as partidas.

Igor Mesquita, de 19 anos, diz que torce para o São Paulo no Brasil. Mas seu coração está mesmo na região sul da Inglaterra. “O Southampton me ajudou em um momento muito difícil na minha vida. Aprendi muitas coisas. Um time pode fazer seus torcedores felizes mesmo sem ser campeão’’, garante. “A alegria não vem somente das coisas grandes. Mesmo com algumas decepções pelo caminho, eu continuei a torcer e não me rendi aos gigantes da Europa.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.