Pedro Ernesto Guerra Azevedo / Santos FC
Pedro Ernesto Guerra Azevedo / Santos FC

Peres se reúne com Modesto por transição e definições do Santos para 2018

Atual mandatário e presidente eleito conversarão sobre status das negociações do clube por reforços e treinador

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

12 de dezembro de 2017 | 09h30

Eleito presidente para o triênio de 2018 a 2020 no último sábado, José Carlos Peres só assumirá o seu mandato em 2 de janeiro, mas já começará a trabalhar no Santos, de fato, nesta terça-feira. Será quando ele vai se reunir com Modesto Roma Júnior, o atual mandatário, para iniciar a transição no clube.

+ Peres diz que acusação contra Robinho pode afetar negociação com Santos

+ Novo presidente do Santos promete trabalhar para reatar relação com Neymar

O encontro será importante para Peres tomar conhecimento do estágio de negociações que haviam sido iniciadas por Modesto, que buscava um novo mandato de três anos à frente do Santos, mas acabou sendo derrotado no processo eleitoral realizado no último fim de semana.

Até por isso, Peres vem sendo cauteloso quando comenta as possibilidade de o Santos se reforçar no mercado de transferências. Nas últimas semanas, rumores apontaram para o interesse do clube em contratar os atacantes Robinho e Gabriel Barbosa, que tiveram passagens de sucesso pelo time.

+ Presidente do Santos fala em união, mas promete investigar passado

+ Eleito, Peres promete definição rápida de técnico do Santos e quer time ofensivo

"Quero entender com a diretoria o leque de opções. Tenho que ouvi-los, eles estavam trabalhando nisso, e aí vou juntar isso com a nossa opinião para fazer a melhor opção para o Santos", afirmou Peres.

O Santos, porém, já tem uma contratação acertada para a próxima temporada. O clube fechou um acordo com o lateral-esquerdo Romário, que disputou a última edição da Série B do Campeonato Brasileiro pelo Ceará e chegará para tentar ajudar a compensar a perda de Zeca, que entrou na Justiça para deixar o clube, embora Peres não descarte a possibilidade de buscar um acordo para contar com o jogador.

Outras decisões a serem tomadas para o futuro próximo do Santos só dependerão da gestão de Peres, sem interferências do andamento das negociações da diretoria de Modesto. É o caso da definição do novo treinador do clube - o presidente eleito fez elogios públicos a Zé Ricardo, hoje à frente do Vasco - a contratação de um diretor executivo de futebol - Peres adiantou que conversou com dois dirigentes que estão empregados em outros times - e a definição sobre a permanência de alguns jogadores, como Ricardo Oliveira, que tem contrato apenas até o fim do ano.

"Não tenha dúvidas que vamos conversar. A duração do contrato talvez seja o maior problema. Ele quer de dois anos e precisamos estudar. Nós não vamos travar nenhuma negociação iniciada. Ricardo Oliveira é grande jogador, identificado com o Santos e artilheiro. Caiu de produção porque a própria equipe caiu", afirmou Peres em entrevista ao SporTV.

A expectativa é para que esses assuntos tenham uma definição rápida, até para não atrapalhar a preparação do time para a temporada 2018. O primeiro compromisso do Santos no próximo ano será em 17 de janeiro, diante do Linense, fora de casa, pela rodada de abertura do Campeonato Paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.