Pergunta sobre violência irrita presidentes Blatter e Teixeira

Dirigentes não gostaram e deixaram claro em suas respostas, ao pedirem respeito e fazerem comparações

30 de outubro de 2007 | 17h32

A cerimônia que confirmou o Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014 nesta terça-feira, em Zurique, na Suíça, teve um momento de irritação para os presidentes da CBF, Ricardo Teixeira, e da Fifa, Joseph Blatter. Ambos não gostaram da pergunta de uma repórter canadense da agência de notícias Associated Press sobre a violência no País, especificamente, o que está sendo feito para proteger os torcedores.Veja também: Brasil é confirmado como sede da Copa do Mundo de 2014 Brasil enfatiza preservação ambiental na apresentação na Fifa Ricardo Teixeira desconversa sobre a ausência de Pelé Paulo Coelho brinca: futebol é mais importante que sexo Imagens da cerimônia na sede da FifaAs cidades candidatas a sede da Copa do Mundo de 2014 Opine: o que você acha do Mundial no Brasil?Visivelmente incomodado, Teixeira foi duro na resposta. "Eu acredito que o problema de violência é internacional. Tivemos o maior exemplo durante o Pan, não tivemos nenhum acontecimento no Rio, em que todas as forças estiveram presentes, nenhuma agressão. Se a gente for olhar assim, seria muito difícil", disse. Ele prossegue no discurso com comparações. "Se você raciocinar, temos países como os Estados Unidos, onde vemos garotos atirando, matando dentro da escola. Pelo menos isso o Brasil isso não tem. Nosso contexto de violência não é maior nem menor do que tudo que se passa no mundo, em todas as cidades temos isso, vemos brasileiros sendo agredidos e assassinados fora do País, em lugares reputados como de grande segurança [referência ao caso Jean Charles, morto em Londres em 2005]. Acho que é um mal da humanidade".Para completar, Teixeira lembra ainda da briga que envolveu a seleção brasileira sub-20 no último Mundial da categoria, disputado neste ano. "Tivemos um problema sério na delegação que esteve no Canadá, eu soube que alguns jogadores tiveram um tipo de agressão da polícia canadense. Eu tenho convicção absoluta que isso é algo que necessariamente poderia ter acontecido em qualquer outro país que não fosse o Canadá."Joseph Blatter emendou a resposta com um bronca. "Quando atribuímos a Copa para a África do Sul, fizeram essa mesma pergunta. Senhoras e senhores, por favor, um pouco de respeito ao futebol, às instituições, a esta casa e aos nossos convidados."

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014Ricardo TeixeiraCBFFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.