Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Péricles Chamusca surpreende mais uma vez

Na última quinta-feira, o Santo André surpreendeu o Palmeiras ao eliminar o time do Palestra Itália da Copa do Brasil, após empate por 4 a 4, pelas quartas-de-final. Por trás da façanha, um jovem técnico, que começa a ganhar destaque no futebol brasileiro: Péricles Chamusca. O mesmo que chegou à decisão do torneio em 2002, quando perdeu para o Corinthians, no comando do Brasiliense.Chamusca é mais um dos nomes da nova geração de técnicos que começa a aparecer no futebol brasileiro. Mesmo com apenas 38 anos, o treinador já tem muita experiência no cargo. ?Comecei novo, com 29 anos. Trabalhei com jogadores como Dida, Vampeta, Alex Alves, Júnior. Aí subi para o time profissional em 95, depois de ser técnico dos juniores.?Contra o Palmeiras, a situação do Santo André não era das mais cômodas. Precisava ganhar ? ou empatar por um placar superior a três gols. O jogo estava difícil. Apesar de a equipe não jogar mal, perdia por 4 a 2, e faltavam 9 minutos para o fim do jogo.?O que a gente mais fez no jogo foi acreditar que tínhamos condições, apesar de o Palmeiras ser uma equipe de nível, um grande adversário?, revela o humilde técnico do time do ABC.E a receita deu resultado. Sandro Gaúcho fez o terceiro gol do Santo André e diminuiu o placar para 4 a 3. No finalzinho do jogo, aos 44 minutos, em mais uma bola alta na área, Tássio tocou para o fundo do gol palmeirense, dando a classificação heróica à equipe visitante.?O diferencial foi a atitude dos atletas. Esse time tem muita semelhança com o Brasiliense. É como eu sempre costumo falar: contra o Palmeiras, defendemos como um time pequeno e atacamos como um time grande?, conta Péricles Chamusca.É justamente esse lado emocional que o técnico do Santo André costuma trabalhar nos clubes que comanda. E não são poucos. Em 10 anos de carreira, dirigiu nada menos que 12 equipes, como Vitória, Brasiliense, Caxias e Rio Branco de Americana. Para incentivar o grupo, buscou forças no exemplo do ex-piloto Ayrton Senna.?Para esse jogo, mostrei alguns vídeos motivacionais para os meus jogadores. Coloquei para eles um documentário sobre o Senna, mostrando que ele procurava sempre passar dos seus limites, buscava o melhor, sempre, em todas as situações. São coisas que trabalho para mexer com os jogadores.? Apesar da vitória, a festa no estádio Bruno José Daniel não foi muito grande. ?Temos de nos concentrar, além do Campeonato Brasileiro (disputam a Série B), no próximo jogo da Copa do Brasil (contra o 15 de Novembro de Campo Bom-RS). Vou colocar algumas fitas de jogos para estudarmos, como faço com todos os adversários.?Dentro de campo, Péricles Chamusca conta com a confiança do jogador Dedimar. ?Ele já conhece minha forma de trabalhar. Aí ficou mais fácil; ele passou a estratégia para os outros jogadores.?O treinador tem o seu estilo próprio de trabalhar. Segundo ele, para que possa desempenhar uma boa função em sua equipe, tem de conhecer antes a estrutura do clube e a forma como trabalha.Os quatro gols de bola alçada na área não foram uma surpresa para Chamusca. Ele diz que é o ponto mais forte da equipe. E explica. ?Como o campo do Bruno José Daniel (estádio do Santo André) está ruim, vai passar por reformas, a gente trabalha muito as jogadas pelo alto; por baixo é difícil.?Deu certo na quinta-feira. Agora, o 15 de Novembro que se cuide. O contrato de Péricles Chamusca termina em setembro. Mas ele quer continuar no clube. ?O Santo André tem um projeto ambicioso para o Paulistão.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.