Alex Silva| Estadão
Alex Silva| Estadão

Perito aponta corrosão em grade que cedeu no camarote do Morumbi

'É evidente, dá pra ver que estava fragilizado', diz especialista

Ciro Campos, Estadão Conteúdo

12 de maio de 2016 | 10h37

Um grupo de peritos do Instituto de Criminalística afirmou na madrugada desta quinta-feira que a grade que cedeu no estádio do Morumbi e causou a queda de aproximadamente 2 metros de altura de cerca de 30 torcedores no fosso do estádio estava com problemas de corrosão e sem a sustentação necessária para suportar a aglomeração de pessoas. Durante a partida entre São Paulo e Atlético-MG, nesta quarta-feira, uma estrutura de metal se rompeu no momento da comemoração do gol da vitória do time da casa, por 1 a 0.

"Houve corrosão. Vamos mandar para o laboratório para ver que tipo de corrosão. É muito evidente, dá pra ver que estava fragilizado. É um problema de material", disse o perito Edwar Folli Junior. "Não é feito para suportar a tensão que suportou, é feito como um guarda-corpo. Se tem 20 pessoas empurrando, a tensão é muito maior. Tem que refazer", completou.

Os peritos ficaram no estádio até por volta de 2 horas da manhã. Segundo o São Paulo, 16 pessoas se feriram e outros sete foram levados de ambulância para os hospitais São Luiz, Bandeirantes e Campo Limpo. Os torcedores estavam em um dos camarotes no anel inferior do estádio e acompanhavam a partida apoiados na grade que cedeu. O acidente ocorreu quando Michel Bastos se aproximou do setor para comemorar o gol de cabeça que deu ao time a vantagem nas quartas de final da Libertadores.

De acordo com o perito, houve negligência na manutenção da estrutura. "O trabalho não foi bem feito, é evidente que está frágil. E esse gradil que rompeu é todo assim", disse Folli Junior, que evitou falar em interdição do estádio. "Não sei se é o caso para interdição, mas é preciso refazer essas estruturas. É evidente que elas estão frágeis pela corrosão, então há perigo de haver novos acidentes. Esse gradil é igual em toda a parte inferior", afirmou.

O vice-presidente de comunicações e marketing do São Paulo, José Francisco Manssur, explicou que a grade deve ter dois anos de uso e prometeu que o clube vai apurar as causas do acidente, além de prestar auxílio às vítimas. Segundo o dirigente, os torcedores feridos apresentam somente fraturas e escoriações, sem risco de morte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.