Pernambucanos lamentam descenso

As torcidas do Sport, Santa Cruz e Náutico estão desoladas. Os dois primeiros times caíram para a Segunda Divisão e o Náutico, atual campeão estadual, despontava com chances de subir para a Primeira, mas também não conseguiu. A comoção não foi maior no caso do Sport porque o time, que vinha mal desde o início do ano, foi o primeiro a ser oficialmente rebaixado.A queda veio como uma ducha de água fria no ano em que o clube tentava conseguir o hexacampeonato estadual (título até agora exclusivo do Náutico) e depois de ter uma boa atuação no Brasileiro do ano passado. Ainda se discute quem foi o responsável pelo fracasso em meio a uma crise política interna, com guerra entre grupos, jogadores sem receber e péssimo desempenho no campo.Os tricolores não tiveram como fazer fé no seu time, que desde o início do campeonato se mostrou fraco, com uma defesa considerada entre as piores da disputa e um ataque ineficiente. Mas mantiveram a esperança até o último jogo, quando ainda havia a possibilidade de permanecer na Série A, em caso de vitória sobre o Guarani e uma combinação de resultados. O time até que conseguiu a vitória, mas o Flamengo enterrou as chances ao vencer o Palmeiras.Os torcedores dos três times se encontram com aquela cara constrangida que parece dizer "vamos fazer o que?", mas o resultado negativo geral deixou uma certa satisfação. Nenhum deles vai poder posar de bom, nem fazer pouco da torcida adversária.Negociação - O vice-presidente do Santa Cruz, Tonico Araújo, informou que vai negociar redução no valor do contrato e parcelamento dos salários dos jogadores, que ainda não receberam parte do salário de outubro. O mês de novembro vence na próxima segunda-feira.Com o rebaixamento, o clube perde R$ 5 milhões de patrocínio, segundo Araújo, tendo que pagar as contas de acordo com a baixa receita. "Os que não aceitarem, têm o legítimo direito de ir para a justiça trabalhista", afirmou ele, dizendo que avisou a todos os jogadores da importância - também econômica - de se esforçarem visando evitar a queda.? O Santa é hoje um consumidor de jogadores, tendo de recuperar a antiga tradição de formá-los para exportar, única forma de render dinheiro a um clube?, disse. Ele utilizou como exemplo Rivaldo, que começou ali sua carreira. Com essa finalidade, o Santa Cruz contratou o gerente de futebol do Sport, Adélson Wanderley, com a difícil missão de cuidar da reestruturação do clube.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.