Divulgação
Divulgação

Pérolas Negras viram atração internacional 47º da Copa São Paulo

Time do Haiti conta com apoio de ONG para participar do torneio  

Estadão Conteúdo

01 de janeiro de 2016 | 09h04

Entre os 112 clubes que vão participar da 47.ª edição da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2016, apenas um não é brasileiro. São os haitianos do Pérolas Negras, equipe amadora que contou com o apoio da ONG Viva Rio para participar da competição e sonha em fazer bonito nos gramados paulistas.

A média de idade do time do país mais pobre das Américas é de 18 anos. Como a equipe é amadora, a expectativa é que alguns de seus jogadores consigam atrair a atenção dos clubes brasileiros, recebam oportunidades para jogar no país e, assim, passem a ser profissionais para viver do esporte.

O Pérolas Negras está no Grupo 28 ao lado de Juventus, América Mineiro e São Caetano. A estreia está marcada para o dia 3 de janeiro, domingo, contra o Juventus, o estádio Conde Rodolfo Crespi, na Rua Javari, no tradicional bairro da Mooca, na capital paulista.

OUTROS ESTRANGEIROS

A última vez que um time do exterior participou da Copinha foi em 2014, quando o time japonês do Kashiwa Reysol surpreendeu e avançou da primeira fase até parar na fase seguinte contra o Santos, que goleou os japoneses por 4 a 0.

A ideia de internacionalização da disputa surgiu na década de 80. Os primeiros clubes convidados foram o Providencia, do México, em 1980, o Vélez Sarsfield, da Argentina, em 1981 e 1982, e o Bayer de Munique, da Alemanha, em 1985.

No período entre 1993 e 1997 a Federação Paulista de Futebol (FPF) voltou a convidar times estrangeiros, como o Boca Juniors, da Argentina; o Peñarol, do Uruguai, o Cerro Porteño, do Paraguai; o Nagoya Grampus Eight e Yomiuri Verdy, ambos do Japão, bem como seleções sub-20 do Japão e da China.

Mas a participação estrangeira, normalmente, era negativa, e deixou de ocorrer. Os estrangeiros só voltaram à Copinha em 2010, com o Al-Hilal, da Arábia Saudita. Em 2014, o Kashima Reysol, foi convidado para participar, inclusive, com uma cota de patrocínio. Na época, o time profissional japonês era dirigido pelo brasileiro Nelsinho Batista. O Reysol foi o primeiro time estrangeiro a romper o tabu de não morrer na primeira fase.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.