Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Perrella reclama de juiz e vê favorecimento ao Vélez

Presidente do Cruzeiro fica indigando com expulsões na Libertadores e decide protestar junto à Conmebol

AE, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 11h23

O presidente do Cruzeiro, Zezé Perrella, ficou indignado com a arbitragem do uruguaio Martín Vázquez na derrota do seu clube para o Vélez Sarsfield, por 2 a 0, em Buenos Aires, na última quarta-feira à noite, na estreia do time mineiro na fase de grupos da Copa Libertadores.

O dirigente reclamou da expulsão do meia Gilberto logo aos dois minutos do primeiro tempo, após falta cometida em cima do zagueiro Sebá, e prometeu protestar junto à Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). "É claro que vou fazer um protesto. Vou pessoalmente ou vou mandar o (diretor de futebol) Eduardo Maluf. Isso não pode ficar assim. É o que eu digo, na Sul-Americana, nós falamos e eles ''hablam''", disse Perrella. "O Gilberto estava de costas, foi um lance acidental e o (juiz) expulsou (o jogador) com dois minutos", reforçou.

O dirigente ainda acusou o presidente da Associação Argentina de Futebol (AFA), Julio Grandona, de usar a sua influência nos bastidores para favorecer os times argentinos na Conmebol. "Fico indignado. É o que falo, na Sul-Americana quem manda é o presidente da AFA, o Julio Grandona. Este ano é centenário do Vélez, eles (dirigentes da Conmebol) vão fazer tudo para classificá-los, para que ele (clube) faça uma boa campanha", atacou.

Já o volante Henrique acusou Martín Vázquez de falta de critério na hora de aplicar os cartões. Na opinião do jogador, o juiz deveria ter expulsado dois jogadores do Vélez por entradas violentas. "Ele teve várias oportunidades para expulsar os adversários e não usou o mesmo critério. O Gil fez uma falta e não merecia o amarelo, acabou levando o vermelho depois. O Gilberto estava de costas, acertou o adversário e foi expulso. Agora, o Kléber foi chutado no chão e um jogador solou meu joelho e ele não usou o mesmo critério", reclamou.

O atacante Wellington Paulista, por sua vez, lamentou as dificuldades enfrentadas pelo Cruzeiro pelo fato de o time ter ficado com nove jogadores em campo. "Com um a menos já é difícil, imagina com dois. Tentamos marcar da melhor forma possível, mas não teve jeito. Eles pressionaram bastante e a única coisa que pudemos fazer neste jogo foi defender", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.