Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

Perto de recorde na carreira, Pato sonha com retorno à seleção

Atacante do São Paulo está a um gol de superar marca de artilharia

O Estado de S. Paulo

11 Agosto 2015 | 13h17

Alexandre Pato vive a expectativa de quebrar um recorde no São Paulo. O atacante está a apenas um gol de fazer da atual temporada a melhor da sua carreira, e essa boa fase alimenta o jogador a sonhar com uma convocação na próxima quinta-feira para a disputa de amistosos com a seleção brasileira.

Foram até agora 37 jogos e 18 gols marcados em 2015. O número é o mesmo da temporada 2008/09, quando ainda atuava na Milan, e anotou o seu recorde de gols. "O momento é especial. Tenho treinado muito bem chutes, cabeceios e passes. Esse ano vou passar a marca do Milan, mas o meu foco maior é voltar para a seleção e conseguir um título no São Paulo", comentou o atacante nesta terça-feira.

O artilheiro da equipe no ano nunca marcou tantos gols em um mesmo ano e o retrospecto até aqui supera toda a passagem dele pelo Corinthians, onde jogou 62 vezes e anotou 17 gols. Pato atribiu à boa fase o posicionamento em campo. O atacante pediu ao técnico Juan Carlos Osorio para atuar mais recuado, pelos lados do campo.

Os gols alimentam o sonho dele de ganhar chance na seleção brasileira. "Na hora é o Dunga quem vai fazer a lista, mas trabalho, sim, para voltar. Se for para ser, quero estar, mas posso responder quando sair a lista", afirmou. Na quinta-feira o treinador divulga a lista de convocados para amistosos em setembro contra Costa Rica e Estados Unidos.

Pato volta ao time nesta quarta-feira, quando o São Paulo enfrenta o Figueirense, em Florianópolis, pelo Campeonato Brasileiro. Ausente contra o Corinthians por questões contratuais, o jogador evitou falar em retorno ao clube, já que em dezembro acaba o contrato de empréstimo. "Vejo nas redes sociais, vejo nas ruas as pessoas pedindo a minha volta. Mas não penso em voltar ou em ficar. Só penso em jogar. Não sei o que vai acontecer no final do ano".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.