Peru e Chile fazem jogo decisivo

Peru e Chile fazem um jogo que está sendo considerado de ?vida ou morte?? nesta terça-feira, em Lima, pelas eliminatórias. As duas equipes estão realizando campanhas bastante fracas na competição ? os chilenos estão em sétimo lugar, com 10 pontos, e os peruanos e nono, com oito ? e quem perder praticamente ficará sem chances de ir à Copa do Mundo de 2002.Por isso, a partida que começa às 23 horas (de Brasília), no Estádio Nacional de Lima, é decisiva. ?Nós jogamos nossa vida diante do Peru?, resumiu o técnico do Chile, Pedro García.Seu colega da seleção peruana, Julio César Uribe, tem a mesma opinião, e objetivos mais claros: ?Nosso objetivo é lutar pelo quinto lugar nas eliminatórias. Para isso, a vitória diante do Chile é fundamental?.A partida desta noite está sendo considerada de alto risco depois que a delegação chilena foi recebida com muita hostilidade ao desembarcar em Lima, no domingo. Por isso, a polícia peruana vai trabalhar com 3 mil homens no estádio.O atacante Zamorano entende que há um certo exagero nas medidas de segurança. ?Os 50 vândalos que nos importunaram não representam o povo peruano?, disse, confiante na vitória de sua seleção. ?Viemos ao Peru para ganhar, e vamos ganhar.?Desinteresse - Se o clima entre Chile e Peru é de tensão, a partida entre Colômbia e Bolívia, em Bogotá, está sendo marcada pelo desinteresse. Apesar da fragilidade dos bolivianos, oitavo colocados com nove pontos, os torcedores colombianos parecem não acreditar muito em sua seleção. O reflexo disso é a baixa procura por ingressos para a partida, que será disputada no Estádio El Campín.O jogo marca o retorno do atacante Faustino Asprilla, atualmente no Fluminense, à seleção colombiana. Ele esteve afastado por um longo tempo da equipe, por divergências com os treinadores anteriores da equipe.Asprilla vai fazer parte do esquema ofensivo armado pelo técnico Luis Augusto García. Ele jogará ao lado de Aristizábal, Bonilla e Angel. ?Vamos mostrar toda a nossa vocação ofensiva?, disse García.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.