KARIM JAAFAR / AFP
KARIM JAAFAR / AFP

Peru enfrenta Austrália no Catar por uma vaga no grupo da França na Copa do Mundo

Governo peruano decreta feriado por causa de jogo da repescagem; técnico da Austrália promete surpreender com evolução técnica

Marcos Antomil, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2022 | 08h00

Peru e Austrália decidem nesta segunda-feira, às 15h, quem ingressará no Grupo D da Copa do Mundo de 2022, ao lado da atual campeã França, além de Dinamarca e Tunísia. O duelo válido pela repescagem intercontinental será realizado no Catar, país-sede do Mundial, no estádio Ahmad bin Ali, em Al Rayyan. Diferentemente dos outros anos, com jogos de ida e volta na casa das duas seleções, para esta Copa o classificado será definido em partida única.

As seleções peruana e australiana estiveram na mesma chave na Copa do Mundo de 2018. Na ocasião, se enfrentaram na conclusão da fase de grupos. O jogo terminou com vitória dos sul-americanos por 2 a 0, com gols de Carrillo e Paolo Guerrero, centroavante conhecido do futebol brasileiro, campeão mundial com o Corinthians, em 2012. Curiosamente, quem avançar nesta disputa de repescagem reeditará dois confrontos ocorridos na Rússia, diante de franceses e dinamarqueses. Os tunisianos são os "intrusos" no grupo.

Para chegar a esta fase, o Peru se classificou como quinto colocado nas Eliminatórias Sul-Americanas, superando rivais de maior tradição. Já os australianos ficaram em terceiro lugar no Grupo B das Eliminatórias Asiáticas e precisaram desbancar os Emirados Árabes Unidos, na última terça-feira, por 2 a 1, para sonhar com um posto no Catar.

Austrália e Peru têm experiência em repescagens. Em 2018, as duas seleções também tiveram de enfrentar esse desafio para chegar ao Mundial. Os peruanos eliminaram a Nova Zelândia, enquanto os australianos bateram Honduras. Desde que a Copa assumiu o formato com 32 seleções, a Austrália só não precisou das repescagens em 2010. Inclusive foram a falta de vagas diretas para a Oceania e a necessidade de passar pela repescagem que fizeram os australianos migrarem para a Confederação Asiática de Futebol (AFC).

FERIADO E SURPRESA

O feito de levar a seleção peruana a duas Copas seguidas transformou o técnico argentino Ricardo Gareca em ídolo. A esperança do país é tão grande que o governo decretou feriado nacional nesta segunda-feira. "O Peru sabe que vamos ganhar", disse confiante o presidente Pedro Castillo. O Peru esteve em quatro Mundiais (1970, 1978, 1982 e 2018). A Austrália, por sua vez, participou de cinco Copas (1974, 2006, 2010, 2014 e 2018) e luta para ir ao Mundial pela quinta vez seguidamente.

"(A Austrália) é uma equipe que ataca muito e ataca com muita gente. Tanto no ataque quanto na defesa, temos de entrar com muita determinação e concentração. Somos uma seleção que está muito convencida do que temos. O que queremos é viver isso e nos preparamos para tal", afirmou o técnico Ricardo Gareca, em entrevista coletiva, em Doha.

O treinador do time australiano Graham Arnold espera surpreender os rivais com um jogo físico e técnico. "O futebol sul-americano em geral é tecnicamente bom e imprevisível, então você precisa estar pronto para tudo o que o Peru pode fazer. Mas realmente acreditamos em nossos jogadores e eles estão prontos", disse. "É um jogo único, é uma final. Os jogadores sabem de seu trabalho, eles vão fazer do jeito australiano: lutar por 90 minutos e ser muito físico. Tecnicamente, os peruanos ficarão surpresos com a melhora que o futebol australiano teve".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.