Pesadelo do futebol argentino continua, diz imprensa

A derrota da seleção argentina por3 x 0 diante do Brasil na final da Copa América manteve abertaa ferida que a equipe carrega desde 1993, ano em que ganhou seuúltimo título importante, disse a imprensa local. O Brasil, pentacampeão mundial, não deixou os jogadoresresponsáveis pela criação na equipe da Argentina jogarem, alémde ter marcado um gol logo no início da partida, o que acabouditando o ritmo da partida na final, na Venezuela. "Algum dia o pesadelo acabará", sentenciou o jornal LaNación na capa do caderno de esportes. "O vazio da derrota se fez maior porque a Argentina nuncaencontrou seu jogo", acrescentou o jornal. O último título de peso conquistado pela equipe argentinafoi a Copa América do Equador, em 1993, também sob o comando dotécnico Alfio Basile. "Outra decepção. Como na Copa América do Peru, como na Copadas Confederações, na Alemanha, como na estréia de (Alfio)Basile em Londres, jogaram Brasil e Argentina e o Brasilganhou", publicou o jornal Clarín. Os jornalistas desses jornais enviados à Venezueladestacaram que a derrota foi "cruel" porque o "Brasil foimelhor em todos os aspectos". "Os dois craques (Juan Román Riquelme e Lionel Messi) dessavez não estavam presentes", acrescentou à sua manchete o diárioClarín. O jornal garante que o meio-campista Juan SebastiánVerón já pensa em abandonar a seleção. Mais duro ainda nas críticas foi o jornal esportivo Olé."Que descanse em paz", foi a manchete de capa. "A seleção que jogou melhor durante a Copa América morreuna final. Um 3 x 0 cruel contra o Brasil B. Terminou numdifícil pesadelo o sonho de uma geração que perseguiu umtítulo, mas fracassou no último passo. Uma pena", acrescentou oOlé. A equipe do Brasil na Copa América jogou sem várias de suasestrelas, entre elas Kaká e Ronaldinho Gaúcho. (Por César Illiano)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.