Divulgação/FIFA
Divulgação/FIFA

Pesquisa diz que maioria dos fãs apoia que Copa do Mundo seja mais frequente

Enquete é parte de um estudo solicitado pela Fifa, que deseja realizar a competição a cada dois anos

Redação, Estadão Conteúdo

16 de setembro de 2021 | 11h53

Uma pesquisa realizada pelas companhias IRIS e YouGov, em julho deste ano, cujos resultados foram divulgados nesta quinta-feira, indicaram que a maioria os fãs de futebol apoia a ideia de que a Copa do Mundo seja mais frequente e que a realização a cada dois anos seria a melhor solução. A enquete fez parte de um estudo de viabilidade sobre a realização da competição, solicitado pela Fifa.

"Há diferenças consideráveis entre os mercados futebolísticos 'tradicionais' e os mercados em desenvolvimento e as gerações mais jovens, de todas as regiões estão mais abertas e interessadas nas mudanças do que as mais velhas", indicou um comunicado oficial divulgado nesta quinta-feira pela entidade.

A pesquisa foi realizada com a participação de 23 mil pessoas, de 23 diferentes países, integrantes das seis confederações continentais filiadas à Fifa. Ao todo, 15 mil entrevistados afirmaram ter interesse no futebol e na Copa do Mundo. Os dados específicos sobre esse grupo de fãs declarados serão utilizados em um outro processo de consulta, mais amplo e realizado em diferentes fases, com cerca de 100 mil participantes, de 100 diferentes nações.

Recentemente, Arsène Wenger, atual diretor de desenvolvimento de futebol mundial da Fifa, revelou o desejo da entidade de realizar os torneios continentais de seleções com a mesma periodicidade, alternando com a principal competição de seleções, a partir de 2028. A ideia foi criticada pelo presidente da Uefa, o esloveno Aleksander Ceferin, que afirmou que está preparado para realizar um boicote à realização de uma Copa do Mundo. Dias depois da Uefa se pronunciar, foi a vez da Confederação Sul-Americana de Futebol, a Conmebol, anunciar que não apoiar o projeto. 

"Terá um alcance mais global, ajustará elementos como a população, a diversidade geográfica, a história e o potencial futebolístico, e abordará a frequência de realização das Copas do Mundo masculina e feminina", indicou a Fifa no comunicado oficial.

Entre os 23 países que tiveram entrevistados entre 29 de junho e 9 de julho deste ano, esteve o Brasil, assim como África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Bolívia, Canadá, Chile, China, Colômbia, Egito, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, Holanda, Índia, Indonésia, Inglaterra, Japão, México, Nigéria, Nova Zelândia, Suécia e Turquia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.