PF e CPI fazem busca no Vasco

Um grupo de policiais federais, acompanhados por dois assessores da CPI do Futebol, foram à sede do Vasco, na tarde desta quarta-feira, em busca dos livros e balanços contábeis do clube, referentes aos últimos cinco anos. O presidente vascaíno, Eurico Miranda, discutiu com os policiais, que portavam um mandado de busca e apreensão, expedido pela 7ª Vara de Justiça Federal.Inconformada com a ação da PF, a diretoria do Vasco divulgou uma nota oficial, agora à noite, em que considerou arbitrária a atitude dos policiais. "Agentes da Polícia Federal, armados, invadiram a sede de São Januário, às 17h20, sendo que um dos policiais chegou a puxar uma arma para uma funcionária do clube", diz o comunicado.Na nota, a diretoria vascaína ainda acusou os senadores da CPI e a Rede Globo de tentarem intimidar o clube. "A ação tinha por claro objetivo intimidar seus diretores e funcionários, a serviço dos senadores da CPI e da Rede Globo."Enquanto os policiais estavam na sede do clube, as luzes de São Januário foram desligadas. E só foram ligadas novamente sob ordem policial. A diretoria do Vasco informou que não houve intenção de prejudicar o trabalho policial e a atitude fazia parte do plano de racionamento de energia elétrica.Segundo o presidente do Vasco, Eurico Miranda, os documentos requisitados pelo Senado estão "há algum tempo" na Receita Federal.Os policiais deixaram o clube às 20h30 e lacraram a tesouraria. A previsão é a de que eles retornem nesta quinta-feira para a conclusão dos trabalhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.