Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

PF irá abrir inquérito contra Eurico

A Polícia Federal do Rio deve instaurar, na próxima semana, um inquérito para apurar as denúncias contra o presidente do Vasco, o deputado federal Eurico Miranda (PPB-RJ), que é acusado de cometer diversos crimes fiscais. Agora, não é só o mandato de parlamentar que está correndo risco, pois, se forem confirmadas as irregularidades, ele vai ter de responder à Justiça.De início, a PF vai investigar as denúncias de que o dirigente vascaíno possui bens que não declarou à Receita Federal e de que enviou, ilegalmente, dinheiro ao exterior. Eurico pode ser acusado de sonegação de Imposto de Renda e evasão de divisas. A pena prevista para o primeiro crime é de dois a cinco anos de reclusão. Para o segundo, de um a cinco anos de prisão. O inquérito pode se estender, se houver indícios de outros crimes.A Procuradoria-Geral da República enviou pedido de instauração de inquérito ao Supremo Tribunal Federal (STF), que vai encaminhá-lo à PF. A expectativa é de que a polícia receba o pedido do STF na próxima semana.O titular da Delegacia de Fiscalização de Crimes Fazendários da PF, Antônio Rayol, confirmou que vai instaurar o inquérito assim que receber a requisição. Com o pedido, chegará a documentação que a CPI do Senado já levantou sobre Eurico Miranda. "A partir daí, as investigações serão feitas paralelamente às da CPI", explicou o delegado.A PF não terá de quebrar o sigilo bancário e fiscal do deputado, o que já foi feito pela CPI do Senado. "Ainda não recebi a requisição, por isso, tenho de esperar para saber quais serão os primeiros passos", revelou Antônio Rayol.O delegado reconheceu, porém, a dificuldade para investigar contas bancárias em paraísos fiscais. "Nem a PF, nem a CPI e nem a Interpol podem chegar aos titulares dessas contas", justificou. "Manter o sigilo é a única fonte de renda dessas ilhas." A Vasco da Gama Licenciamentos S/A (VascoLic), que controla a marca do clube, já vem sendo investigada há algum tempo pela Polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.