PF já identificou o intermediário

O promotor Roberto Porto revelou nesta quarta-feira que o Gaeco e a Polícia Federal já sabem a identidade do responsável pela intermediação entre árbitros e empresários na chamada máfia do apito. Até agora, ele é conhecido apenas como Wanderlei.Roberto Porto não quis, porém, revelar quem seria. ?Não podemos adiantar o nome ainda, mas já temos a identificação e ele vai ser ouvido?, avisou o promotor.Ele também informou que o próximo árbitro a ser ouvido será Romildo Correia. Ele foi citado no depoimento de Edílson Pereira de Carvalho como um dos juízes que teriam sido aliciados por Wanderlei. A investigação do Ministério Público, entretanto, não constatou o envolvimento de Romildo Correia. ?Acho natural que ele seja ouvido, por ter sido mencionado e não por estar envolvido no esquema?, analisou o promotor. Romildo Correia negou a participação no esquema e disse que foi procurado por Wanderlei em setembro de 2004, mas que se negou a recebê-lo. O árbitro disse, ainda, que irá processar Edílson Pereira de Carvalho por ter sido citado no depoimento. As investigações ainda devem se estender por tempo indeterminado. Roberto Porto não delimitou um prazo para o fim da apuração. ?Temos pressa, mas ainda não dá para se limitar um prazo?, avisou.Segundo ele, ainda há vários depoimentos a serem requeridos, mas não especificou de quem. ?Existem pessoas que ainda não têm sua participação comprovada, mas que podem estar envolvidas no esquema?, revelou o promotor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.