PF vai buscar dirigente do Vasco

Um advogado e um delegado da Polícia Federal que acompanham os trabalhos da CPI do Futebol no Senado viajaram nesta terça-feira para o Rio de Janeiro à procura do vice-presidente de Finanças do Vasco, Mário Cupello - que deveria ter comparecido na manhã de hoje para depor na CPI, mas não apareceu nem justificou a ausência. Com isso, os parlamentares decidiram empregar a força de polícia para trazer o cartola a Brasília, com base em artigos do Código de Processo Penal que prevêem sanções às testemunhas que deliberadamente faltam às convocações judiciais.Os assessores da CPI também vão aproveitar a viagem à capital fluminense para acertar o depoimento do funcionário Aremithas José de Lima, apontado como "laranja" usado pelo presidente do Vasco, o deputado Eurico Miranda (PPB-RJ), para desviar dinheiro do clube. Aremithas foi convocado duas vezes, mas faltou em ambas com a alegação de que estava doente. "Em 48 horas, ele deverá indicar a data e o local do depoimento. Se necessário, a CPI vai até a casa dele acompanhada de um médico", disse o relator da CPI, senador Geraldo Althoff (PFL-SC).Resistência - O cerco da CPI aos dirigentes do Vasco intensifica-se a cada dia. O relator apresentou nesta terça-feira requerimentos de convocação do presidente do Conselho Deliberativo do clube, Carlos Alberto Cavalheiro, do presidente do Conselho Fiscal, Geraldo Teixeira da Silva, do sócio benemérito e coordenador da campanha de Eurico Miranda a deputado, Lourdemar Villanova, e dos contadores Miguel Vaz e Wanderley Doring.Toda essa ofensiva deve-se, em grande parte, à recusa de Eurico em depor para os senadores. Na semana passada o depoimento chegou a ser anunciado, mas os senadores se recusaram a ouvir o dirigente do Vasco em seu gabinete, considerado pequeno demais para a ocasião.Segundo o presidente da CPI, Álvaro Dias (PSDB-PR), os depoimentos, nessa fase dos trabalhos, interessam muito mais aos depoentes do que aos parlamentares: "A comissão já tem provas contudentes dos crimes praticados nos clubes e a recusa desses dirigentes a comparecerem serve apenas para agravar questões extremamente relevantes."Flamengo - O relator também solicitou a convocação do ex-presidente do Flamengo Antônio Dunshee de Abranches, do atual presidente, Edmundo Santos Silva, e do empresário Reinaldo Pitta - que prestará depoimento na sede da Polícia Federal, no Rio.Eles vão ter de explicar a existência de uma conta do Flamengo no exterior, com um saldo de US$ 908 mil, além de esclarecer a compra do jogador Petkovic, que veio do Venezia, da Itália.Senado - Os senadores parecem não ter ficado preocupados com a liminar concedida pelo ministro Nelson Jobim, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibindo a divulgação dos dados do relatório final da CPI da Nike, realizada na Câmara. "Acredito que isso aconteceu pelo fato de o relatório do deputado Sílvio Torres (PSDB-SP) não ter sido votado, o que não acontecerá no nosso caso", aposta Álvaro."O nosso trabalho continua ileso e, apesar dos esforços de dirigentes de clubes como Vasco e Flamengo, nós vamos votar o nosso relatório." A votação está prevista para 8 de novembro, mas, se for preciso, esse prazo poderá ser prorrogado até 15 de dezembro. "Estamos tranqüilos", afirmou Althoff.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.