Piá é absolvido em julgamento do caso de homicídio

Meia, atualmente sem clube, é inocentado da acusação de ter participado da morte de um mototaxista

Agência Estado,

03 de abril de 2008 | 20h10

Por 6 votos a 1, o meia Piá foi absolvido nesta quinta-feira da acusação de ter participado do homicídio do mototaxista Vailto Rodrigues da Rocha, ocorrido em 1999. O primo do jogador, Rui César Fernandes Paulini, é assassino confesso. O julgamento era para ter acontecido no dia 12 de fevereiro. Mas, com a ausência de Rui César Fernandes Paulini na sessão, o advogado de Piá, Gláucio Piscitelli, pediu desmembramento do caso e o jogador pôde ser julgado sozinho. Piá foi julgado no artigo 121 parágrafo 2.º, inciso 4 combinado com 29 do Código Penal, que se refere à participação em assassinato. E foi considerado inocente. "Nossa! Estou muito mais tranqüilo agora. Estava agoniado e não via a hora disso acabar, seja para o lado bom ou ruim. Ainda bem que acabou tudo bem", comentou o jogador, que já passou por clubes como Corinthians e Santos.  Depois de uma passagem rápida pelo futebol grego, Piá defendeu o Rio Preto durante parte do Campeonato Paulista. Agora, livre da acusação de participação em homicídio, ele procura um novo clube para continuar a carreira.

Tudo o que sabemos sobre:
Piá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.