Piá não é o primeiro jogador a ser preso. Confira outros casos

Outros jogadores como Edmundo, Bruno, Romário, entre outros, também pararam atrás das grades

O Estado de S. Paulo

23 Janeiro 2014 | 16h13

SÃO PAULO - A prisão do ex-jogador Piá, por suspeita de envolvimento em assaltos a caixas eletrônicos, não é novidade no mundo do futebol. Após confessar o crime, na cidade de Campinas, o ex-meia, com passagens por Corinthians, Santos e Ponte Preta, entra em uma seleta lista de atletas que também já tiveram problemas com a Justiça comum.

Em 1995, Edmundo se envolveu em um acidente de carro, no Rio de Janeiro, em que três pessoas morreram e outras três ficaram feridas. Após quatro anos, o jogador tinha sido condenado por homicídio culposo e deveria ficar 4 anos e 6 meses na prisão. Porém, após seus advogados recorreram e o jogador ficou apenas um dia atrás das grades. Em junho de 2011, o jogador foi preso novamente, mas não chegou a ficar 24 horas preso.

Caso pouco conhecido no Brasil, Vampeta já esteve atrás das grades em outro país. Em 2004, quando estava jogando pelo Al-Salmiya, do Kuwait, o volante foi flagrado em uma blitz com seis garrafas de vinho. Como no país do Oriente Médio o consumo de bebidas alcoólicas é proibido, o ex-jogador do Corinthians foi preso. O jogador foi liberado no dia seguinte, ao ter sua fiança paga.

Nem o filho do rei conseguiu escapar da Justiça. Em junho de 2005, o ex-goleiro do Santos, Edinho, foi preso com outras 17 pessoas, acusado de associação com tráfico de drogas. Mesmo negando a informação, dizendo ser apenas usuário, o filho de Pelé ficou preso por seis meses. Após ser liberado por meio de um habeas-corpus, ele foi novamente preso 2 meses depois, acusado agora de lavagem de dinheiro. Edinho foi solto em dezembro de 2006.

Atacante com passagem pelo Vasco em 2006, Valdiram tem mais de uma passagem pela polícia. Em 2000, o jogador foi acusado de agredir uma namorada. E em 2003 e 2004, o jogador foi detido duas vezes, acusado de tentativa de estupro. Hoje com 31 anos, o jogador foi recentemente dispensado do Comercial, após consumir crack.

Em maio de 2007, foi a vez de Freddy Rincón parar atrás das grades. As empresas do colombiano no Brasil foram acusadas de lavagem de dinheiro para o tráfico de drogas, oriunda do Panamá. Depois de quatro meses, o ex-volante de Corinthians e Palmeiras deixou a prisão após a concessão de um habeas-corpus.

Hoje deputado federal, Romário também já foi parar nas páginas policiais. Em 2009, o ex-jogador foi preso, após atrasar pensão alimentícia de seus dois filhos mais velhos por dois meses. Após apresentar comprovantes referentes ao pagamento, Romário foi solto após 24 horas. O jogador também havia sido detido duas vezes pelo mesmo motivo em 2004.

Poucas histórias causaram tanto rebuliço quanto a polêmica morte de Eliza Samudio, ex-amante do gleiro Bruno. O caso veio à tona quando a ex-modelo já havia desaparecido há dois meses. Bruno, que à época estava no Flamengo, foi preso, e no ano passado, o ex-goleiro confessou a morte de Eliza - que nunca teve o seu corpo encontrado, e foi condenado a cumprir 22 anos e três meses de cárcere.

Quando chegou ao Bayern de Munique, em 2008, Breno foi era visto como um dos defensores mais prodígios do mundo. Além de não ter rendido o esperado dentro de campo, o zagueiro ficou mais conhecido nas páginas policiais. Em setembro de 2011, o jogador foi acusado de ter incendiado sua própria residência e foi condenado a 3 anos e 9 meses de prisão. Em agosto do ano passado, a justiça de Munique acatou o pedido de seus advogados e desde então, Breno cumpre sua pena em regime semiaberto.

Para finalizar a lista, o meia Marcelinho Paraíba é outro que contém um histórico negativo com a polícia. Em 2012, o atleta foi acusado de tentativa de estupro. Já em 2013, o atleta foi preso duas vezes. O primeiro crime ocorreu depois do meia agredir a sua ex-mulher, ficando apenas um dia atrás das grades. Depois, o meia, que está no Fortaleza, foi preso novamente, após dirigir embriagado. Ao pagar a multa, Marcelinho foi liberado mais uma vez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.