Daniela Porcelli/CBF
Daniela Porcelli/CBF

Pia quer setor ofensivo da seleção feminina mais forte no jogo contra o Canadá

Equipe vem de um empate com a seleção da Holanda e derrota para a França nos últimos amistosos

Redação, Estadao Conteudo

09 de março de 2020 | 17h19

Depois de um empate sem gols contra a Holanda e derrota por 1 a 0 para a França, ambos em Valenciennes, a seleção brasileira feminina de futebol encara o Canadá, nesta terça-feira, na cidade de Calais, pela terceira e última partida de um torneio amistoso em solo francês. A técnica sueca Pia Sundhage já definiu qual será a prioridade para o duelo: melhorar o ataque.

Desde o começo de seu trabalho, em agosto do ano passado, a treinadora conseguiu fazer com que a seleção evoluísse no setor defensivo. Tanto que em nove jogos o time sofreu apenas 3 gols - contra Inglaterra, Polônia e França. Para Pia Sundhage, o próximo passo é pensar mais sobre o ataque e como melhorar a performance do poderio ofensivo brasileiro.

"Nós conversamos sobre aquele jogo (contra o Canadá) porque fizemos de fato uma boa partida. Agora é uma oportunidade de provar que podemos ter aquele mesmo tipo de ataque. Se voltarmos em alguns jogos, nós fizemos vários cruzamentos, mas contra a Holanda e a França não tivemos a mesma quantidade de cruzamentos. Então, esse será o próximo passo. Nós estamos mudando um pouco e falando mais sobre ataque e como podemos criar mais chances de gol. Nós sabemos como, só precisamos ser mais precisas", afirmou.

Nesta segunda-feira, a equipe fez o último treinamento antes do duelo. Pia Sundhage priorizou uma atividade de finalização e, na etapa final, enfatizou o esquema tático que planeja para o jogo contra as canadenses. A técnica sueca planeja rodar mais uma vez a equipe e promete novamente uma escalação diferente em relação ao grupo que iniciou diante da Holanda e da França.

"Nesse três jogos nós decidimos testar a equipe. Mas não apenas isso, também estamos testando em relação ao papel de cada jogadora na equipe. Nós temos jogadoras técnicas, rápidas e estamos tentando solucionar qual será a formação tática que dará para cada uma a melhor performance. Será muito interessante ver como foi o impacto da derrota para a França, nós iremos encontrar um novo time, o Canadá não joga como a França. Mas é bom ter mais um jogo, será um pouco uma revanche", ressaltou.

Será o segundo encontro contra o Canadá com Pia Sundhage no comando. Em novembro de 2019, as duas equipes se enfrentaram no Torneio da China. Na oportunidade, o Brasil venceu por 4 a 0 - com gols de Bia Zaneratto (duas vezes), Chú e Formiga.

A técnica lamentou a contusão da lateral-direita Letícia Santos, que rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito (LCA) contra a França e, assim, está fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

"Eu acabei de receber essa notícia, eu sinto muito por ela, é claro. Mas ela parece ser o tipo de pessoa que dá a volta por cima. Ela está determinada desde que soube da notícia. Ela vai voltar, é apenas questão de tempo e quando será. É duro, mas assim é a vida, as vezes é dura, mas por mais que seja difícil, ela voltará", finalizou.

PORTÕES FECHADOS 

A Federação Francesa de Futebol (FFF, na sigla em francês) anunciou nesta segunda-feira que o jogo entre Brasil e Canadá será com portões fechados ao público, no Stade de L'Épopée, em Calais. A decisão foi tomada seguindo as medidas tomadas pelas autoridades públicas do país em relação ao coronavírus. Todos os eventos na França esta semana com mais de mil pessoas deverão ser fechados ao público ou adiados a datas posteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.