Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Picerni começa a trabalhar no Guarani

Correndo sério risco de rebaixamento no Brasileiro, em que ocupa a lanterna com apenas 31 pontos, o Guarani apresentou na manhã deste sábado o seu novo técnico. Jair Picerni foi contratado na terça-feira, mas só começa o trabalho agora, tornando-se o 5º treinador a comandar a equipe de Campinas durante este campeonato."O Guarani não pode cair. Muito menos o Picerni", foram as primeiras palavras do novo treinador - não pôde assumir o time antes por imposição do seu ex-clube, o Atlético-MG. Para ele, tirar o clube do rebaixamento não é uma missão impossível. "É difícil, mas temos que acreditar."Picerni não tem contrato com o Guarani. Ele só será remunerado se conseguir livrar o clube do rebaixamento - ganhará R$ 60 mil por mês trabalhado. Antes disso, recebeu antecipadamente perto de R$ 30 mil a título de ajuda de custo.Junto com Picerni chegou o auxiliar Fred Smania. Após a apresentação formal à imprensa, o técnico se reuniu com os líderes das principais torcidas organizadas do clube: Fúria Independente, Guerreiros da Tribo e Torcida Jovem. E pediu apoio nesse momento complicado.Ele é o quinto treinador que chega ao clube no Brasileiro, o sexto na temporada - Barbiéri dirigiu o time alguns jogos no Campeonato Paulista. Antes dele, Zetti, Joel Santana, Lori Sandri e Agnaldo Liz tentaram, sem sucesso, tirar o Guarani das últimas posições no Campeonato Brasileiro.Para que o Guarani se salve, são necessárias ao menos 7 vitórias nos 11 jogos que ainda restam. Uma marca difícil de ser alcançada por quem, em 35 rodadas, venceu apenas seis vezes.Na segunda-feira, o novo treinador segue com o restante do elenco para uma intertemporada na cidade de Serra Negra. A estréia dele será no dia 17, contra o Cruzeiro, em Campinas.

Agencia Estado,

09 de outubro de 2004 | 12h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.