Picerni e Elson fazem as pazes

Uma reunião nesta sexta-feira pela manhã selou a paz entre Elson e Jair Picerni. O meia pediu desculpas pelas acusações que fez contra o treinador, a quem se referiu como um homem que privilegiava jogadores baladeiros e não entendia muito de futebol tão logo foi informado pela comissão técnica de que não enfrentaria o Goiás na quarta-feita pela Copa do Brasil. Para não aumentar ainda mais a crise de relacionamento no grupo, Picerni colocou panos quentes na situação. E fingiu que nada de anormal aconteceu. ?Falei muita coisa de cabeça quente. Por tudo o que aconteceu, perdi o controle. Não é fácil você ficar sabendo algumas horas antes de uma partida que não irá sair jogando. Mas é claro que não pegou bem para mim o que aconteceu. Bater de frente com o treinador era tudo o que eu não precisava neste momento. Pedi desculpas e ele aceitou?, disse Elson, cujo futebol agrada ao técnico Cuca, do São Paulo, que o telefona desde o ano passado. O comportamento de Picerni surpreendeu porque foi bem diferente em relação ao ano passado, quando jogadores como Índio, Zinho e Neném questionaram o seu comando e acabaram deixando o Parque Antártica. Desta vez, mudou o discurso e alegou que tem por costume perdoar as pessoas que assumem seus erros. ?Ele (Elson) atirou nem sei para onde apenas porque foi informado de que não enfrentaria o Goiás. Mas, para mim, negou ter dado declarações negativas. Aqui o comando é inteligente. As pessoas cometem deslizes, mas têm tempo para se redimir e se recuperar. Seria fácil eu mandá-lo embora, mas não quero agir dessa forma. O Elson irá ser punido administrativamente. Provavelmente será multado.? A pena, no entanto, dificilmente será aplicada. O lateral Lúcio, o último a recebê-la por ter chegado atrasado a um treinamento, até hoje não teve o desconto de 20% de seu salário, conforme a comissão técnica informou à imprensa. Elson, após ameaçar negar as declarações que deu em primeira mão à Agência Estado, recuou. E fez questão de dizer que não quer passar a ser conhecido como um jogador indisciplinado. ?Vou ficar aqui e lutar pelo meu espaço. Tomara que possa voltar a jogar bem o mais rápido possível. Pedi desculpas a todos, inclusive ao Diego, a quem chamei de baladeiro. Cada um faz o que quer da sua vida, e eu não tenho nada a ver com isso. Um homem de verdade torna-se mais homem ainda quando assume seus erros. Sei que muita coisa ainda vai acontecer na carreira, mas é errando que se aprende.? Picerni garantiu que a situação não irá azedar o ambiente no clube. ?Aqui todo mundo se dá bem, principalmente porque priorizo a disciplina. Mas ainda teremos muitos jogos pela frente e quero contar com o Elson para a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro. Não sei o que deu nele, mas como se trata de um menino novo, deve ter se perdido. Temos um grupo composto por mais de 30 jogadores, e é natural que todos queiram lutar pela posição. Assim como também é óbvio que nem todos ficam satisfeitos com minhas definições.? Elson também negou que seu relacionamento com os demais jogadores seja ruim. ?Falo com todo mundo aqui dentro. Alguns jornais noticiaram o contrário, mas posso garantir que se equivocaram. Desde que aqui cheguei fui bem recebido pelo grupo. Disseram que meu único amigo era o Lúcio, o que é uma grande mentira. A partir de agora, quero apagar o que houve. Vou pagar pelo meu erro e ponto final. Tenho crédito.? O meia também questionou alguns setores da imprensa que escreveram que ele teria chegado alcoolizado a um treinamento ano passado. ?Como pode alguém publicar uma coisa dessas. Peço ajuda de vocês para que contem a verdade.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.