Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Picerni proíbe jogadores de desfilar

Se depender de Jair Picerni, a escola de samba Mancha Verde vai entrar na avenida na madrugada da próxima segunda-feira com vários desfalques. O treinador anunciou hoje que seus jogadores estão proibidos de desfilar. A medida atingiu em cheio Magrão, Lúcio, Diego Souza e Vágner Love, que já haviam confirmado presença no Sambódromo. Picerni alegou que liberar os atletas para brincar o Carnaval seria uma medida antiprofissional, já que a equipe enfrenta o São Caetano, no próximo sábado no ABC, e o União São João na quarta-feira de Cinzas, os dois jogos pelo Paulistão. "Eu, como bom brasileiro, adoro Carnaval. Adoraria que meus atletas desfilassem pela Manha. Mas acima da alegria existe a responsabilidade.Teremos dois jogos em menos de cinco dias. Por isso, não dá para brincar com a sorte. Nem o comprometimento de alguns jogadores com a escola sensibilizou o treinador. "Não quero falar sobre isso. A festa faz parte da nossa cultura, mas aqui o importante é trabalhar. O grupo pode até estar de folga domingo e segunda-feira, mas não deve esquecer que estamos disputando um campeonato importante." Ao serem informados da decisão do treinador, os jogadores mostraram-se surpresos. Diego Souza, que durante a entrevista para as emissoras de televisão anunciou que desfilaria na bateria, não conseguiu esconder a frustração. "Sério, ele disse isso? Terei uma conversa reservada com o Picerni para saber o que realmente aconteceu." Na seqüência, no entanto, o meia demonstrou que não acredita na reversão do quadro."Me programei e até ensaiei para entrar na avenida com o Mestre Caju.Só não quero criar polêmica por causa desse assunto. Torcerei pela Mancha do mesmo jeito, só que pela televisão." O lateral Lúcio foi bem mais político. "O que o homem falar eu acatarei. Meu primeiro compromisso é com o Palmeiras. Não estou aqui para confrontar ninguém, ainda mais o treinador. Não pretendo argumentar." Picerni quer se aproveitar da instabilidade do São Caetano, que amanhã apresenta Muricy Ramalho como seu novo treinador. No Paulistão, o time do ABC venceu apenas uma das seis partidas que disputou. "Essa má campanha me causa surpresa. Afinal, o São Caetano hoje é tão grande quanto São Paulo, Santos e Corinthians. Mas temos que pensar apenas na gente. Quero o Palmeiras buscando a vitória." Diego Souza pensa diferente do treinador. "O jogo será muito disputado mas vamos atuar com inteligência. Certamente o vencedor será quem errar menos." Com uma passagem discreta pela equipe do ABC, Lúcio destaca que o fator positivo do adversário é a falta de torcida. "A cobrança é pequena e os jogadores ficam muito mais tranqüilos para arriscar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.