Pierre quer marcação pesada sobre o 'conhecido' Paraná

'Temos de marcar em cima, pressionar bastante', explicou o volante, que está de olho em Vandinho e Josiel

Juliano Costa, Jornal da Tarde

18 de outubro de 2007 | 21h57

O Paraná, adversário de sábado do Palmeiras, no Palestra Itália, é bem conhecido pelo técnico Caio Júnior, o zagueiro Gustavo e o volante Pierre. Foi no clube paranaense que os três ganharam projeção nacional, no ano passado. E, por isso, eles sabem bem o que é preciso fazer para conseguir a vitória. "O time deles tem jogadores rápidos, como o Vandinho e o Josiel, que, não à toa, é o artilheiro do campeonato (com 18 gols). O segredo é não dar espaço para contra-ataque", diz Pierre. Ele pede uma espécie de "blitz" na saída de bola do Paraná. "Temos de marcar em cima, pressionar bastante, como fizemos na vitória (2 a 0) contra o Grêmio." Caio Júnior treinou esse sistema de jogo durante a semana inteira. O técnico posicionou os meias Valdivia e Caio, além dos atacantes Luiz Henrique e Rodrigão, para formarem uma barreira à frente da linha dos volantes adversários. "Nosso sistema de marcação tem dado certo, apesar de estarmos com apenas dois volantes, porque todos estão ajudando mais a marcar, principalmente os laterais", observa Pierre. Com 43 jogos pelo Palmeiras, o volante admite estar ansioso para fazer seu primeiro gol. "O Caio Júnior brinca e diz que eu não preciso fazer gol, mas só proteger lá atrás e já está bom. Mas eu não vejo a hora de marcar um golzinho", diz Pierre. "Sei que vai sair naturalmente, mas a ansiedade é grande." Além dele, outros quatro titulares nunca fizeram gol pelo Palmeiras: Wendel (74 jogos), Makelele (20), Valmir (22) e o goleiro Diego Cavalieri (80 partidas). Corneta O técnico Caio Júnior não poupou o atacante Max, que foi para a reserva, depois de um chute torto durante o treino desta quinta: "Belo tiro de meta, Max", disparou o treinador. Quem brilhou nesse treino foi o goleiro Marcos, que emplacou um gol olímpico - é verdade que sem goleiro, mas com uma bela curva na bola. "Estão dando moral para o Caio, mas fui eu que o ensinei a bater na bola", brincou o goleiro, que deve voltar para o banco no jogo de sábado, depois de ficar de fora da partida contra o Santos por causa de uma amidalite - nesse jogo, Caio marcou direto de escanteio o gol do Palmeiras no empate por 1 a 1, na Vila Belmiro.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasBrasileirão Série A

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.